Internautas brasileiros não confiam em informações nas redes sociais, diz pesquisa CNT/MDA

Apenas 1,5% dos cerca de 150 milhões de brasileiros com acesso à internet (70,8% da população) acreditam totalmente nas informações que circulam nas redes sociais, segundo pesquisa CNT/MDA. O estudo, porém, não permite avaliar os sites jornalísticos.

Ao procurar identificar a fonte preferida de informação, o levantamento limitou-se a perguntar de forma ambígua sobre “meio de informação no qual o entrevistado tem mais confiança sobre as informações que recebe, lê ou vê”. Nessa mesma questão, o estudo deu como opções de resposta aos entrevistados apenas quatro plataformas tecnológicas (Facebook, Twitter, Whatsapp e Google), sem mencionar especificamente nenhum site jornalístico ou abrir ao pesquisado a possibilidade de que mencionasse algum.

Em resposta ao questionário do estudo, 78,5% disseram acreditar algumas vezes nos conteúdos das plataformas sociais, enquanto 17,9% afirmaram não acreditar. Em contrapartida, 64,9% dos internautas brasileiros informaram que a interação nas redes sociais é o principal motivo de acesso à web.

tabela1

O buscador Google é a principal ferramenta de certificação entre plataformas de tecnologia na web, conforme a pesquisa: 56,5% dos entrevistados citaram site como o meio mais confiável em comparação a mídias sociais. O Whatsapp (17,2%) e o Facebook (12,4%) aparecem em seguida. O Twitter foi referido por apenas 1,6% dos participantes do estudo.

tabela2

O aplicativo de mensagens instantâneas Whatsapp aparece como a rede social mais popular no Brasil, usada por 87,1% dos entrevistados que acessam a internet. Em segundo lugar aparece o Facebook, acessado por 78,3%. O site de vídeos e stream YouTube está na terceira colocação, com 33,7% da preferência dos brasileiros.

Os dados fazem parte do estudo elaborado pela CNT/MDA que avaliou as percepções do governo de Michel Temer. Cerca da metade dos entrevistados (50,4%) afirmou já ter acessado algum site do governo.

Leia mais em:

http://www.poder360.com.br/midia/apenas-15-dos-internautas-acreditam-em-informacoes-lidas-em-redes-sociais/