Bate-papo com Eduardo Sirotsky Melzer e José Galló discute governança corporativa

Debate marcou o lançamento do livro “A caixa-preta da governança”, de Sandra Guerra, na Livraria Cultura, em Porto Alegre, nesta segunda-feira (19)

As particularidades e os desafios da governança corporativa no Brasil conduziram o debate entre o chairman e presidente do Grupo RBS, Eduardo Sirotsky Melzer, e o presidente e conselheiro das Lojas Renner, José Galló, durante lançamento do livro “A caixa-preta da governança”, de Sandra Guerra, na Livraria Cultura, em Porto Alegre, nessa segunda-feira (19).

No painel “Uma viagem pelo mundo comportamental dos conselhos. A visão privilegiada de experientes navegadores”, os executivos falaram sobre suas visões e percepções a respeito do papel e das atribuições do conselho de administração das empresas. O encontro foi organizado pela PricewaterhouseCoopers (PwC).

Eduardo, que no ano passado passou a responder pelo Conselho de Administração da RBS, comentou sobre o processo de sucessão na RBS e sua relação com a gestão e o atual CEO, Claudio Toigo Filho, além dos aspectos que envolvem a administração de uma empresa familiar.

– Nós enxergamos muito valor na governança profissional e estruturada, como forma de organizar todos os territórios da gestão e da sociedade da empresa e suas interconexões.  A boa governança é um grande aliado na perspectiva de crescimento das companhias, ajudando a buscar a sustentabilidade e garantir uma visão de longo prazo – destacou Eduardo.

Consultora e conselheira há mais de 20 anos, Sandra participou da fundação do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) em 1995 e foi presidente de seu conselho por quatro anos. A obra, da editora Best Business, tem como base uma pesquisa realizada com 102 conselheiros brasileiros. Da amostra, a maioria possui mais de dez anos de experiência no papel e atua em dois ou mais colegiados, e cerca de metade têm como principal atuação a de membro independente.

Para a especialista, a função de um conselho divide-se em três categorias: direcionar a estratégia, controlar e monitorar a empresa, atuando como supervisor da gestão de risco e como “motor” da governança corporativa, e aconselhar a gestão da companhia.