SIP e ANJ condenam perseguição judicial ao Grupo Viu!, do Rio de Janeiro

SIP e ANJ condenam perseguição judicial ao Grupo Viu!, do Rio de Janeiro

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) rechaçaram a perseguição judicial que vem enfrentando o Grupo Viu!, dono de uma revista e um portal de mesmo nome, do estado do Rio de Janeiro. As ações foram propostas por autoridades, magistrados e fiscais das cidades Campos dos Goytacazes, Macaé e Rio de Janeiro, com o propósito de silenciar os dois veículos que têm produzido investigações sobre irregularidades na administração pública, denunciou o diretor executivo da empresa jornalística, Roberto Barbosa.

“A ANJ condena todas as iniciativas que visem a constranger o livre exercício do jornalismo, como parece o caso”, disse o editor executivo da entidade de jornais brasileiros, Ricardo Pedreira. "Temos notado no Brasil uma forte predisposição de parte dos agentes públicos a apresentar demandas contra os meios que visam enfraquecer denúncias e investigações jornalísticas", lamentou o presidente da SIP,

Gustavo Mohme. Roberto Rock, presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da SIP, disse que as ações são estratégia para amedrontar veículos. "Os meios, especialmente os menores, não podem fazer frente à carga econômica e aos esforços exigidos em suas defesas nos processos judiciais, e muitos deles optam pela autocensura diante do perigo a suas sustentabilidades", alertou Rock.

Barbosa foi acionado em quatro ocasiões nos últimos meses. Em janeiro, o juiz Ralph Manhães, condenou o Portal VIU! a pagar una indenização a uma funcionária de Campos dos Goytacazes, denunciada por receber salários acima do que tinha direito. O juiz obrigou o portal a retificar e eliminar todo conteúdo sobre o tema.

Em junho de 2017, conselheiros de Macaé processaram a revista por uma reportagem sobre um movimento para aprovação de um plano de zoneamento que favoreceria a empresários imobiliários. Em outro processo, o chefe de gabinete do Partido dos Trabalhadores (PT) em Macaé, Marcelo Puertas, entrou com ação indenizatória contra a revista por críticas a sua atuação como líder sindical.

Uma quarta demanda, do deputado estadual Gerardo Pudim, também pedia indenização do Portal VIU! por uma denúncia sobre nomeações irregulares no governo do Estado, que resultou em prisões de dirigentes e políticos. O pedido do parlamentar foi negado.

Leia mais em:

http://www.sipiapa.org/notas/1212119-la-sip-rechaza-acoso-judicial-contra-medio-brasileno

https://www.portalviu.com.br/opiniao/o-direito-achado-na-lata-do-lixo/