Falta de credibilidade nas redes sociais reduz confiança no jornalismo, diz Instituto Reuters Reuters Institute

Falta de credibilidade nas redes sociais reduz confiança no jornalismo, diz Instituto Reuters

Novo relatório do Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo mostra que o descrédito nas informações que circulam nas redes sociais continua como tendência. Agora, no entanto, o estudo indica que essa desconfiança começa a abalar também os conteúdos produzidos por empresas de jornalismo profissional que distribuem suas notícias nas mídias como Facebook e Google e, ao mesmo tempo, têm suas reputações atacadas por aqueles que vivem, política ou financeiramente, das notícias falsas.

O percentual de pessoas que acreditam que a mídia faz um bom trabalho para separar a verdade da mentira é de 40%, afirma o estudo. No entanto 25% dos entrevistados disseram que não confiavam nos meios de comunicação. “Resolver esse problema exigirá que publishers, redes sociais e leitores trabalhem juntos ao longo de muitos anos”, alertam os responsáveis pelo estudo, Nic Newman e Richard Fletcher, da Reuters. Há, no entendimento dos dois, ainda muito trabalho pela frente para distinguir melhor o jornalismo da massa de informações disponíveis na internet, algo decisivo para garantir credibilidade.

A pesquisa envolveu cerca de 18 mil pessoas em nove países (EUA, Alemanha, Reino Unido, Irlanda, Espanha, Dinamarca, Austrália, França e Grécia). Questionados sobre como enxergam o trabalho da mídia para distinguir fatos de ficção, os entrevistaram deram a Newman e Fletcher subsídios suficientes para classificar o que está alimentando a desconfianças das pessoas. Não por acaso muito disso são pedras que, para serem retiradas do caminho, exigem o trabalho de jornalistas: preconceitos e parcialidade; versões sem contrapontos e agendas obscuras.   

Nos Estados Unidos, por exemplo, 34% dos inquiridos afirmaram desconfiar dos meios de comunicação por preocupação quanto ao viés político da informação. A inquietude é maior entre aqueles considerados no campo político à direita (alinhados ao presidente Donald Trump, que desqualifica a imprensa diariamente), três vezes mais propensos a desconfiar dos meios de comunicação do que aqueles de perfil à esquerda. "A mídia liberal está cheia de besteiras e mentiras", chegou a dizer um entrevistado. "A Fox News mantém as coisas de forma justa; a CNN nos diz mentiras de esquerda", afirmou outro.

Outra constatação da pesquisa é a de que, enquanto leva muito tempo para ser construída, a confiança pode evaporar rapidamente. Não é de se estranhar que a desconfiança na mídia é maior entre pessoas mais jovens (34%) e de baixa renda (35%). As marcas, afirma a pesquisa, particularmente as jornalísticas, não ganham confiança da noite para o dia, e pode demorar muito para que as organizações de notícias se vejam renovadas na verificação de fatos e na transparência jornalística.

O vídeo, ferramenta de muita utilidade para o The Washington Post desmontar a fraude que o Project Veritas tentou aplicar ao jornal na semana passada, mostra-se atualmente importante no processo de confiança. Os entrevistados disseram que os vídeos são menos suscetíveis à manipulação do que fotos e textos. O estudo alerta, entretanto, que isso pode mudar, uma vez que as novas tecnologias tornam cada vez mais fácil a falsificação.

Como em relatórios anteriores, a descrença nas redes sociais é grande (apenas 24% dos entrevistados disseram que essas mídias fazem um bom trabalho separar falsidade de verdade). Aproximadamente 35% dos entrevistados que desconfiam das mídias sociais citaram que a ausência de práticas jornalísticas nessas redes, como falta de verificação de fato e a prevalência de opinião, são principais motivos para a falta de credibilidade. O estudo destaque que, apenas 5% dessas pessoas disseram desconfiar das mídias sociais devido a ação dos algoritmos, sugerindo que poucos estão preocupados com o papel da tecnologia na apresentação das notícias que leem ou que não estão cientes disso.

O relatório completo está aqui.

Leia mais em:

http://www.niemanlab.org/2017/11/why-dont-people-trust-the-news-and-social-media-a-new-report-lets-them-explain-in-their-own-words/

http://www.pressgazette.co.uk/survey-finds-that-uk-journalists-are-less-trusted-than-estate-agents-reuters-institute-study-says-bias-is-to-blame/