JORNALISMO DE QUALIDADE EM TEMPOS DE EMERGÊNCIA

JORNALISMO DE QUALIDADE EM TEMPOS DE EMERGÊNCIA

Fernando de Yarza López-Madrazo - Presidente da Associação Mundial de Jornais e Editores (WAN-IFRA)

Em poucas semanas, a Espanha e o mundo inteiro mergulharam em um pesadelo.
A primeira epidemia global em mais de 100 anos causou uma psicose coletiva sem precedentes que aumenta dia a dia pelo medo provocado pela incerteza sobre o presente e o futuro. Nossos entes queridos adoecem e morrem. Memórias de encontros com amigos e familiares permanecem longe. O confinamento multiplica a ansiedade, em uma situação que parece não ter fim.

Mas a progressão do vírus será contida - verificaremos mais cedo ou mais tarde - com pesquisa, com consciência social e com medidas de prevenção e isolamento. E teremos que superar o medo, que atravessa portas e fronteiras a uma velocidade assustadora. Superar tudo isso exigirá um esforço coletivo sem precedentes, no qual o papel da mídia, de editores e jornalistas será essencial. Somente fornecendo informações próximas, úteis e verdadeiras, de forma abrangente, rápida, precisa e comprometida com os cidadãos, conseguiremos conter o medo do contato social e voltar à normalidade.

 

O jornalismo é, sem dúvida, o melhor antídoto contra desinformação, silêncios e mentiras que, deliberadamente, geram movimentos interessados no desequilíbrio das instituições. É um interesse que se multiplica tão rapidamente quanto o próprio coronavírus, criando uma situação séria e confusa, prejudicial para todos nós que estamos sofrendo. Nestas circunstâncias, nossa responsabilidade como editores e jornalistas é mais importante que nunca, certamente, o maior desafio que enfrentamos desde a Segunda Guerra Mundial.  

 

Cidadãos de todos os países têm agora não apenas o direito, mas a necessidade urgente de nosso trabalho É verdade que estamos diante de uma nova contingência e, portanto, desconhecida para todos, menos para a mídia, que demonstra historicamente que sabe como lidar com esse desafio: quanto mais complicada a situação, mais evidente é a nossa capacidade de reagir, realizando nosso trabalho com mais esforço, mais dedicação, mais seriedade e mais eficiência.

 

Jornalistas e editores são, antes de tudo, um serviço público de primeira necessidade, o mesmo que médicos, enfermeiras, fabricantes de equipamentos médicos, policiais, soldados, entregadores. Estamos na linha de frente desse combate comum, mesmo ao custo de

nossa saúde, cientes de que temos o dever de garantir o direito de os cidadãos conhecerem a verdade, nada mais do que isso – a verdade sobre o que acontece.

 

Nunca fomos tão necessários como agora. Nunca antes nosso papel foi tão importante na coesão social, na defesa do sistema democrático, no estímulo à solidariedade e conscientização do cidadão. Nossa ânsia de fazer o melhor jornalismo nunca foi tão grande como agora. Nosso compromisso com a verdade nunca foi tão louvável, em um missão social e ética intrínseca à nossa atividade.

 

E, apesar de tudo, nunca tivemos mais dificuldades do que agora. A grande maioria dos nossos jornais e meios de comunicação não é pública, mas de natureza privada. Somos empresas que precisam de recursos para realizar nosso trabalho e efetivamente prestar nosso serviço à sociedade. O terremoto da internet e a terrível crise econômica mundial, iniciada em 2008, significaram para a imprensa livre e democrática de todo o mundo um duro golpe e um desafio sem precedentes. Muitos não sobreviveram. Outros conseguiram empreender uma difícil transformação profissional e estrutural para se adaptar às necessidades informativas de uma sociedade em mudança em seus valores, mas principalmente em sua tecnologia, em um ritmo sem precedentes.

 

Após anos de sacrifícios, estávamos tendo sucesso, com enormes dificuldades, mas vendo a luz no fim do túnel. Então chegamos a esta nova etapa, de repente, sem precedentes, com a virulência e rapidez de um relâmpago. E há um paradoxo perverso. O jornalismo se torna mais necessário do que nunca, o público se multiplica, mas nossos meios de subsistência evaporam em dias, e com eles nossa forma de sobrevivência. A publicidade praticamente desapareceu. Comprar jornais está ficando mais complicado. A desaceleração econômica global, que não tem precedentes, nos afetou de uma maneira brutal. 

 

Exatamente agora, quando somos obrigados - e exigimos de nós mesmos - mais do que nunca, temos menos do que nunca.

 

Prestamos um serviço essencial em circunstâncias excepcionais. Não podemos parar nossa atividade. Não podemos fechar ou tirar algumas semanas de férias até que tudo isso passe, porque isso seria trair a sociedade que agora precisa de nós.  Mas temos de encontrar uma solução para nossos problemas. Precisamos de financiamento de curto prazo, precisamos de liquidez, precisamos de uma ponte que nos permita chegar ao outro lado do rio sem nos afogarmos na tentativa.

 

Agora temos de ver na prática o compromisso com a liberdade de expressão e o direito à informação de autoridades, governos, administrações públicas e órgãos oficiais. Se eles realmente acreditam - e sabemos que muitos acreditam - que nossa mídia, aqueles que mantêm apenas na Espanha 36 mil empregos diretos e 160 mil indiretos não são apenas necessários, mas indispensáveis para manter a serenidade em uma sociedade assustada. Se  eles estão convencidos, como nós, de que essa serenidade é alcançada com informações verdadeiras, profundas e objetivas,  se eles não duvidam da necessidade de que os cidadãos precisam ter meios saudáveis e independentes, para que tornem possível nossa existência e nos permitam  superar esse transe, facilitando nosso trabalho.

 

Estamos fazendo o sacrifício e o esforço e assumindo a responsabilidade. Ninguém deve se confundir: a mídia é um pilar essencial da convivência democrática, com nossos erros e com nossos fracassos. Uma sociedade sem meios solventes nunca poderá ser uma sociedade livre e, nela, a coexistência será seriamente ameaçada.

 

Não estamos falando de lucros ou demonstrações de resultados. Agora isso não importa. Falamos de permanecermos vivos para continuar nosso compromisso de apoiar os cidadãos, sua dignidade, a coesão social, a manutenção da democracia. Falamos sobre poder continuar fazendo o bom jornalismo, apesar das circunstâncias, para continuar nosso trabalho, mesmo à custa do enorme sacrifício exigido de todos nós neste terrível transe. Estamos falando, finalmente, em a mídia continuar com seu firme compromisso em defesa da liberdade e do futuro democrático do nosso mundo.

Pandemia e trabalho recomendações do MPT