Relatório do CPJ mostra como a impunidade endêmica no México sustenta massacre à imprensa

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) lançar na próxima terça-feira (2) um relatório especial sobre como a impunidade endêmica sustenta a escalada de violência e morte contra jornalistas e mídia e as alternativas possível para dar um fim nessa tragédia.

O México é um dos mais perigosos do mundo para o exercício do jornalismo, onde grupos criminosos, agentes públicos corruptos e cartéis de drogas silenciam seus críticos. Desde 2010, o CPJ documentou mais de 50 casos de jornalistas e meios de trabalhadores que foram mortos ou desapareceram. A violência é particularmente mais evidente no estado de Veracruz, onde os ataques contra a imprensa ficaram impunes durante o mandato do ex-governador Javier Duarte de Ochoa, foragido da Justiça.
O relatório “Sem desculpas: México deve quebrar o ciclo de impunidade em assassinatos de jornalistas” será lançado um dia antes do Dia Mundial da Liberdade, em 3 de maio, em encontro que contará com um debate, na cidade de Veracruz, às 10 horas.