Informação de qualidade é vital para a democracia na era digital, diz representante interina da Unesco no Brasil

A internet e as mídias digitais proporcionam hoje um fluxo de informações nunca visto na história da humanidade, dentro do evidente progresso que a tecnologia proporciona ao planeta se bem aplicada, diz Marlova Jovchelovitch Noleto, representante interina da Unesco no Brasil. No entanto, alerta ela, esse admirável mundo novo exige permanente reflexão. “Se hoje, mais do que nunca, a informação é essencial em nossas vidas, torna-se vital que ela seja de qualidade”, com especial destaque para o jornalismo e a devida preservação dos direitos e dos princípios democráticos, enfatiza Marlova em texto publicado na edição desta terça-feira (6) do jornal O Globo. “A liberdade de expressão e a liberdade de informação são pré-condições para a democracia. A preservação dessas liberdades no mundo das modernas tecnologias de comunicação é nosso desafio e pressuposto para construção da paz”.

Marlova afirma que, nesse cenário, cresceu a importância das informações apuradas com rigor, editadas com critério e contextualizadas com espírito crítico, “pois funcionam como instrumentos para que o cidadão construa, ele próprio, a sua visão de mundo”. Ela ressalta ainda que a profusão de informações no meio digital vem acompanhada de um inusitado fenômeno que desafia o setor de comunicação e afeta toda a sociedade: as notícias falsas. “O fato distorcido e retirado do contexto real é mal a ser combatido, na mídia tradicional ou em outros ambientes da web, como sites e blogs”, diz.

Em seu texto, a representante interina da Unesco no Brasil reforça que a educação e a informação de qualidade são essenciais para os cidadãos fazerem as melhores escolhas em suas vidas e nas sociedades a que pertencem, exercendo e exigindo o cumprimento de seus direitos. Por isso, conta ela, uma das estratégias desenvolvidas pela Unesco é a Alfabetização Midiática e Informacional (AMI), que busca empoderar os usuários das diversas mídias com as habilidades necessárias para navegar na internet, além de interpretar, rejeitar ou reagir a mensagens provocadoras ou de ódio.

Leia mais em:

https://oglobo.globo.com/opiniao/para-formar-mentes-criticas-21438582