CEO da Axel Springer espera que duopólio Facebook-Google faça as notícias serem rentáveis

Mathias Doepfner, presidente-executivo (CEO) da maior editora da Alemanha, a Axel Springer, disse no fim da semana passada acreditar que o duopólio Google-Facebook está cada vez mais convencido de que precisa dos publishers para manter seu negócio lucrativo. Por isso, em uma conferência de tecnologia realizada na última quinta-feira (22), Doepfner afirmou alimentar as expectativa de que as gigantes do Vale do Silício mudarão suas operações para que os produtores de conteúdo também ganhem dinheiro e, com isso, possam financiar o jornalismo. “Eles têm de fornecer um modelo de negócio decente para atrair conteúdo para suas plataformas”, enfatizou. “Eles têm o problema da notícia falsa”.


Doepfner disse ver sinais de que Google e Facebook estão, de fato, cada vez mais abertos a pensar em maneiras de ajudar as empresas de mídia a ganhar dinheiro com suas plataformas. “Essas relações estão melhorando. Eles precisam de muito conteúdo”, reforçou. O presidente-executivo Axel Springer afirmou que há elementos favoráveis para essa aproximação.

De um lado, há muitas críticas aos métodos utilizados pelos gigantes de tecnologia, o que os forçaria a buscar adequação. O Facebook, por exemplo, lembrou Doepfner, sofreu intensa pressão para enfrentar a propagação de notícias falsas. De lá para cá, a empresa de Mark Zuckerberg – que nesta terça-feira (27) anunciou ter alcançado a marca de 2 bilhões de usuários por mês – vem promovendo uma série de medidas para tentar minimizar o impacto negativo das mentiras espalhadas em sua plataforma, algumas delas em parceria com empresas de comunicação e jornalistas.

Ao mesmo tempo, afirmou Doepfner, as notícias são cada vez mais consumidas digitalmente e, especialmente, por meio das chamadas mídias sociais. Por isso, a Axel Springer e outras grandes empresas de comunicação do mundo estão destinando a maior parte de seus recursos para publicações digitais, e não mais ao meio impresso.

Na semana passada, a Bloomberg informou que a News Corp., editora do The Wall Street Journal e do Times of London, mantém discussões “muito avançadas” com o Facebook sobre assinaturas de seu conteúdo online.

Leia mais em:

http://br.reuters.com/article/internetNews/idBRKBN19I2H5-OBRIN

https://www.reuters.com/article/us-axel-sprngr-media-idUSKBN19E16X?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=nonmember

http://br.reuters.com/article/internetNews/idBRKBN19E26I-OBRIN