Proibição a empresas e cidadãos norte-americanos de manter relações comerciais com o Grupo Editorial GESE prejudica diários El Siglo e La Estrella de Panamá Proibição a empresas e cidadãos norte-americanos de manter relações comerciais com o Grupo Editorial GESE prejudica diários El Siglo e La Estrella de Panamá /Grupo Editorial GESE/Reprodução

SIP manifesta preocupação com sanções dos Estados Unidos a jornais do Panamá

A Sociedade Interamericana de Imprensa expressou nesta quarta-feira (12) preocupação com a decisão do governo dos Estados Unidos de proibir empresas e cidadãos norte-americanos de manter relações comerciais e contratuais com o Grupo Editorial GESE, do Panamá, que publica os diários El Siglo e La Estrella de Panamá. A proibição se dá pela inclusão do principal acionista da companhia de mídia, Abdul Waked, na Lista Clinton, base de dados criada em 1995, durante o governo de Bill Clinton, com o objetivo de listar empresas ou pessoas relacionadas ao narcotráfico ou envolvidas em lavagem de dinheiro. A SIP anunciou ainda que uma delegação da entidade estará no Panamá entre 5 e 8 de setembro para investigar os casos de liberdade de expressão do grupo GESE e de outras empresas de comunicação do país.

“Estamos vigilantes diante dessa medida dos Estados Unidos que pode desencadear a asfixia econômica desses dois diários panamenhos [El Siglo e La Estrella de Panamá], colocando em sério risco a liberdade de imprensa e o direito de acesso dos cidadãos à informação plural e diversa”, afirmou Roberto Rock, presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da SIP. “Nos surpreende que, enquanto o embaixador norte-americano no Panamá, John Feeley, disse publicamente que os diários não estão envolvidos em atividades ilícitas, o governo aplica sanções contra os meios”, completou Rock.

O caso teve início em maio de 2016, quando o Departamento do Tesouro norte-americano incluiu Abdul Waked na Lista Clinton. Desde então, os dois jornais estavam estavam de fora das restrições impostas a outras empresas propriedade de Waked, por meio de licenças especiais consecutivas. A última, entretanto, venceu em 13 de julho, e os Estados Unidos anunciaram que não mais renovariam as permissões. Com isso, os diários ficarão impedidos de manter, por exemplo, comércio com empresas provedoras de insumos e agências de notícias e de publicidade, o que coloca em risco a sustentabilidade dos dois veículos.

Leia mais em:
http://www.sipiapa.org/notas/1211573-panama-preocupa-la-sip-decision-eeuu-que-afecta-diarios