Presidente venezuelano abraça o filho e a mulher (em campanha de 2013), agora eleitos integrantes da Assembleia Constituinte Presidente venezuelano abraça o filho e a mulher (em campanha de 2013), agora eleitos integrantes da Assembleia Constituinte /Juan Barreto-AFP-O Globo

SIP condena ameaças de Maduro à imprensa; jornalista crítico ao chavismo é encontrado morto

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) condenou as novas ameaças do presidente de Venezuela, Nicolás Maduro, contra os meios de comunicação logo após a eleição da Assembleia Nacional Constituinte, no último domingo (30). A entidade expressou preocupação com a possibilidade de que, no processo de reforma constitucional, as liberdades de expressão e de imprensa sofram ainda mais restrições no país.

O mandatário venezuelano, que também recrudesceu a repressão à oposição ao chavismo, disse que não vai “tolerar campanhas” contra seu Governo por parte da mídia "Estamos em combate comunicacional outra vez contra as mentiras das emissoras de televisão", chegou a afirmar Maduro.

Deportação e morte

Antes da eleição do fim de semana (agora sob suspeita de fraude), um caso específico anunciava uma maior censura: Jorge Lanata, um dos principais jornalistas investigativos da Argentina, foi deportado após ser impedido de entrar na Venezuela para fazer reportagens no país. "De cima, te mandam dizer que isso aqui não é uma colônia", disse ao jornalista uma agente chavista ao comunicá-lo que não poderia ingressar no país, segundo reportagem do jornal argentino Clarín, citada pelo O Estado de S.Paulo. 

Nesta terça-feira (1), em meio as cada vez mais frequentes denúncias de intimidação a jornalistas, o corpo do jornalista José Daniel Hernández Sequera, do diário El Nuevo País e crítico do regime de Maduro, foi localizado nas proximidades de uma das faculdades da Universidade Central da Venezuela, com um ferimento no pescoço. Até agora não existe nenhuma informação oficial sobre as causas e circunstâncias da morte.

Ameaça de estatização

O presidente da SIP, Matt Sanders, disse temer que as ameaças de Maduro representem a vontade do governante de, na nova Constituição do país, seguir o mesmo caminho de Cuba. Em matéria de liberdade de imprensa e meios de comunicação, lembrou Sanders, o Art. 53 da Constituição cubana indica: "As condições materiais para seu exercício estão dadas pelo fato de que a imprensa, a rádio, a televisão, o cinema e outros meios de difusão massiva são de propriedade estatal ou social e não podem ser objeto, em nenhum caso, de propriedade privada".

Leia mais em:
http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,jornalista-critico-do-kirchnerismo-e-deportado-da-venezuela,70001911299
http://noticiaaldia.com/2017/08/ministerio-publico-investiga-muerte-periodista-nuevo-pais/
http://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/assassinado-jornalista-de-jornal-critico-do-regime-na-venezuela