Ao cobrir a covid-19, jornalistas estão sofrendo psicologicamente, diz pesquisa

PODER360 - 26/07/2020 NIEMAN LAB - Sarah Scire Os primeiros resultados de 1 novo estudo sobre saúde mental de jornalistas que cobrem a pandemia eram tão preocupantes que o Instituto Reuters decidiu publicar os dados preliminares. “Esses são dados iniciais sobre 1 tema urgente”, escreveu Meera Selva, coautora do estudo e diretora do Instituto do Journalist Fellowship Program, no Twitter. “É importante divulgá-lo imediatamente, para mostrar que é necessário agir agora.” O tamanho da amostra é pequeno. Selva e seus colegas entrevistaram 73 jornalistas de organizações internacionais de notícias em junho. Todos eles “trabalharam em reportagens diretamente relacionadas à pandemia”. A pesquisa teve uma taxa de resposta de 63%. Do grupo que respondeu, cerca de 70% disseram estar sofrendo distúrbios psicológicos. Mais de 1/4 dos entrevistados citou sintomas como preocupação, sensação de nervosismo, insônia, baixa concentração e fadiga que foram “clinicamente significativos” e compatíveis com o diagnóstico de transtorno de ansiedade generalizada. Cerca de 11% relataram sintomas consistentes com o transtorno de estresse pós-traumático, que incluem “pensamentos e memórias incômodas recorrentes de 1 evento traumático relacionado à covid-19, 1 desejo de evitar lembranças, e sentimentos de culpa, medo, raiva, horror e vergonha”. Para entender o impacto da covid-19 na saúde mental dos jornalistas, @MeeraSelva1 trabalhou com @antfeinstein, professor de Psiquiatria em Toronto. Este é 1 trabalho em andamento, mas os resultados de uma pequena amostra em duas grandes organizações jornalísticas são impressionantes e preocupantes Selva e o co-autor, Dr. Anthony Feinstein, 1 neuropsiquiatra e professor da Universidade de Toronto, lideraram uma equipe de pesquisa que entrevistou repórteres de longa data –os entrevistados tinham média de 18 anos de experiência. Além disso, 99% relataram estar em boa saúde física. “A situação poderia ser ainda pior em partes menos privilegiadas da profissão jornalística”, escreveram Selva e Feinstein. Jornalistas freelancers, omitidos dos relatórios de demissões e lutando contra o impacto da pandemia sem proteções trabalhistas, são particularmente vulneráveis. Por exemplo, o estudo encontrou uma correlação significativa entre sofrimento psicológico e a ausência de orientação. Um pouco mais da metade dos jornalistas da pesquisa disse ter recebido orientação. Não é demais imaginar que poucos jornalistas ou repórteres que trabalham em organizações de notícias com poucos recursos tenham tido o mesmo acesso. Não é de modo algum surpreendente. Mas todos os seus entrevistados têm uma medida de segurança no emprego. Vá e pergunte a alguns #freelancers como eles estão se sentindo sobre a implosão de toda a indústria neste momento Embora apenas 4% dos entrevistados estivessem na área da saúde antes do surto, 74% disseram que atualmente cobriam a editoria por meio de relatórios sobre a pandemia. Eles estavam trabalhando mais. Um total de 60% dos entrevistados disseram que estavam trabalhando mais horas desde que a pandemia começou. Os autores do estudo escreveram que encontraram uma correlação negativa entre a cobertura da covid-19 e a idade de 1 repórter –1 “achado intrigante” que eles interpretaram sobre a forma como as organizações jornalísticas estão demonstrando sensibilidade ao bem-estar de seus funcionários. “Quanto mais velho você é, menor a probabilidade de receber uma reportagem da covid-19”, eles escreveram. “Isso pode refletir uma preocupação por parte das organizações de notícias de que as pessoas mais velhas são mais vulneráveis aos efeitos da infecção e, como tal, os jornalistas mais jovens têm maior probabilidade de receber histórias relacionadas à covid-19”. Como Ricki Morell escreveu para o Nieman Reports, “o estigma de admitir 1 desafio de saúde mental é profundo entre as pessoas que vêem seu trabalho como 1 chamado”. Mas uma nova geração de jornalistas mostra uma maior disposição para tratar de questões de saúde mental. Tenho que admitir que foi extremamente difícil durante março/maio cobrir o surto, conhecer pessoalmente muitas pessoas que morreram, trabalhar horas extras enquanto estavam isoladas em casa, e não saber o que o amanhã traz. Sem mencionar os ataques pessoais A boa notícia é que, embora os jornalistas tenham alta exposição a traumas, eles também parecem exibir altos níveis de resistência. A resiliência é a chave para o bem-estar psicológico, e ela surge da sensação de que o trabalho de alguém tem 1 propósito Algumas redações estão impulsionando o apoio à saúde mental dos jornalistas, oferecendo tudo desde a meditação virtual diária até a adição de 1 dia de folga mensal remunerado em prol da saúde mental __ *Sarah Scire é escritora do Nieman Lab. Já passou por Tow Center for Digital Journalism da Columbia University, Farrar, Straus e Giroux e New York Times. __