NYT chega próximo a 3 milhões de assinantes digitais e lucro cresce 51% no 2º trimestre Reprodução/NPR

NYT chega próximo a 3 milhões de assinantes digitais e lucro cresce 51% no 2º trimestre

O jornal The New York Times voltou a registrar crescimento em sua base de assinantes digitais no segundo trimestre deste ano, o que ajudou a impulsionar o lucro em 51%, para US$ 24 milhões no período. O diário abocanhou mais 109 mil assinaturas nos últimos três meses – agora são 2,9 milhões de assinantes digitais, de um total de 3,8 milhões de assinaturas. A receita com assinaturas online cresceu para US$ 99 milhões, um salto de quase 20% na comparação com igual período de 2017. A receita total no trimestre subiu 2%, para US$ 415 milhões, informou a companhia, segundo os jornais Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo e O Globo.

"A receita com assinaturas respondeu por quase dois terços da receita total da companhia, uma tendência que esperamos que venha a se manter", afirmou Mark Thompson, presidente-executivo da The New York Times Co., em comunicado. "Continuamos a acreditar que exista espaço significativo para expandir substancialmente essa base”.

O executivo ressaltou ainda o bem-sucedido investimento no jornalismo global. "Estamos satisfeitos com o nosso progresso na obtenção de assinaturas internacionais, especialmente em mercados como a Austrália e o Reino Unido, onde estamos realizando esforços coordenados de jornalismo, opinião e novas táticas de marketing", disse Thompson em conversa com analistas nesta quarta-feira (8), relatou a Folha de S.Paulo.

Além disso, o podcast The Daily provou ser uma ferramenta bem-sucedida para atrair uma audiência mais jovem para o The New York Times. "O The Daily é um negócio bem-sucedido em termos publicitários", disse Meredith Kopit Lieven, vice-presidente executiva e de operações da The New York Times Co, ainda segundo a Folha de S.Paulo. "Temos muitas indicações que sugerem que o formato do The Daily, essencialmente uma ou ocasionalmente duas grandes histórias diárias, torna mais provável que as pessoas se engajem com nossa plataforma."

Thompson se disse otimista quanto a um programa de TV em linhas semelhantes, The Weekly, em parceria com o canal FX e o serviço de streaming Hulu, e está convencido de que ele terá impacto parecido. "Esperamos que The Weekly leva o jornalismo do Times a novas audiências, gere receitas diretas substanciais e promova engajamento com, e assinaturas dos, nossos serviços de notícias e opinião", disse Thompson.

As demais receitas da empresa cresceram 40% no segundo trimestre, em larga medida devido a um acordo entre a The New York Times Co. e a Newsday, que agora se encarrega de imprimir e distribuir as publicações da companhia. Outras fontes de receita incluem a locação de mais quatro andares na sede da empresa em Nova York e o sucesso do Wirecutter, um site de resenhas e recomendações adquirido pelo The New York Times em 2016.

A companhia sofreu queda de 10% em sua receita publicitária, o que inclui retração de 7,5% em sua publicidade digital, para US$ 51 milhões (R$ 191 milhões). A receita com publicidade em mídia impressa caiu 11,5% no segundo trimestre, para US$ 68 milhões (R$ 255 milhões). A empresa previu crescimento de 10% em sua receita com publicidade digital no próximo trimestre, e uma queda de apenas alguns pontos percentuais em seu faturamento publicitário agregado.

Leia mais em:

https://oglobo.globo.com/economia/new-york-times-registra-lucro-de-us-24-milhoes-no-2-trimestre-22959880

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/08/nyt-adiciona-109-mil-assinantes-digitais-no-2o-trimestre-e-lucro-sobe-51.shtml

https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,new-york-times-registra-lucro-de-us-24-mi-gracas-a-assinaturas-digitais,70002438255