Financial Times inova e usa vídeo com narrativa de drama para falar sobre o impacto do Brexit na fronteira irlandesa Reprodução

Financial Times inova e usa vídeo com narrativa de drama para falar sobre o impacto do Brexit na fronteira irlandesa

O jornal britânico de finanças e negócios Financial Times usou uma narrativa de drama em vídeo de longa duração para os padrões da internet com o objetivo de informar e opinar sobre o impacto do Brexit na fronteira irlandesa, repleto de incertezas. Os resultados da experiência, um curta-metragem de quase nove minutos estrelado pelo ator Stephen Rea, natural de Belfast, na Irlanda do Norte, foram surpreendentes, informou o site Journalist, especializado em comunicação. "Acho que criamos um formato em que exploramos notícias e assuntos atuais de uma forma mais profunda; esperamos continuar a fazer isso", comemorou Juliet Riddell, diretora de novos formatos do Financial Times.

A fronteira da independente República da Irlanda com a Irlanda do Norte é um dos nós da saída do Reino Unido da União Europeia (UE), em março de 2019. A Irlanda do Norte integra o território britânico, mas não é favorável ao Brexit. Atualmente, milhares de pessoas atravessam a fronteira irlandesa todos os dias, e bens e serviços passam entre as duas jurisdições sem restrições. Como atualmente o Reino Unido e a República da Irlanda fazem parte do mercado único da UE e da união aduaneira, os produtos não precisam ser inspecionados para fins alfandegários e cumprimento de normas. Depois do Brexit, isso pode mudar.

 "A fronteira é muito mais do que fatos e números – trata-se de história e identidade", diz Riddell. "Eu instintivamente senti que algo ficcional e dramático seria uma boa maneira de abordar a questão", completa, acrescentando que tinha em mente um roteiro teatral e dramático, mas claramente nascido de uma redação. Ela então escalou a jornalista e dramaturga Clare Dwyer Hogg, que cresceu na Irlanda do Norte, para produzir o texto do filme, rodado em apenas um dia.  

Riddell destaca que, além da duração atípica para web, o filme foi feito sem outros elementos que normalmente funcionam bem no meio online, como visuais rápidos e atraentes. “Por isso, ficamos surpresos o quão profundamente isso [a narrativa diferenciada] ressoou junto as pessoas, que têm reagido compartilhando suas próprias histórias na fronteira [irlandesa]. As palavras de Clare foram citadas em todos os lugares, o que tem sido incrível."

Leia mais em:

https://www.journalism.co.uk/video/caroline-ft/s400/a728276/