Empurrados a vídeos populares e longos, usuários acríticos do YouTube se expõem a conteúdo falso e inadequado, diz estudo Reprodução/The Guardian

Empurrados a vídeos populares e longos, usuários acríticos do YouTube se expõem a conteúdo falso e inadequado, diz estudo

O conteúdo perturbador, em especial o apresentado a crianças, continua sendo um problema na rede social de vídeos do Google, o YouTube, revela nova pesquisa do Pew Research Center. O sistema de recomendação dos algoritmos da plataforma segue empurrando os usuários (mais de 1,5 bilhão) para vídeos mais longos e populares – que muitas vezes exibem conteúdo fraudulento e inadequado –, com o objetivo de manter as pessoas plugadas na mídia social por mais tempo. Cerca de dois terços dos entrevistados (64%) disseram que pelo menos às vezes encontram vídeos falsos, perturbadores e não adequados às crianças, enquanto 60% afirmaram encontrar pessoas envolvidas em comportamentos perigosos ou preocupantes.

Apesar dos riscos, 81% dos pais com crianças de até 11 anos disseram que já permitiram que seus filhos assistissem a vídeos na rede social. Entre os entrevistados, 34% dos pais afirmaram que os filhos acompanham regularmente ao conteúdo no YouTube, cujas regras afirmam que a plataforma não é destinada a crianças menores de 13 anos, com exceção YouTube Kids. No ano passado, porém, foram encontrados vídeos inadequados nesse espaço dedicado às crianças.

Concorrência com publishers

O sistema de recomendação dos algoritmos aparentemente gera 70% do consumo no YouTube, mostrou a pesquisa. Para os publishers, essa estratégia tem potencial para retirar audiência de seus sites. A interrupção de uma hora na navegação da rede social de vídeo, afirmou o Pew Research Center, pode resultar em aumento até 20% no tráfego das páginas dos produtores de notícias, mostra o estudo.

O levantamento indicou ainda que 51% dos entrevistados disseram recorrer ao YouTube em busca de entretenimento e conhecimento que os permita fazer coisas diferentes em suas vidas. A pesquisa foi feita junto a 4,5 mil adultos norte-americanos no começo de 2018.

Leia mais em:

http://www.niemanlab.org/2018/11/youtube-helps-a-majority-of-american-users-understand-current-events-but-64-percent-say-they-see-untrue-info/?utm_source=Daily+Lab+email+list&utm_campaign=80fa7bc995-dailylabemail3&utm_medium=email&utm_term=0_d68264fd5e-80fa7bc995-386384393