Imprimir esta página
Ortega ignora apelos de entidades internacionais e mantém jornalistas presos e incomunicáveis há mais de dez dias Reprodução/SIP

Ortega ignora apelos de entidades internacionais e mantém jornalistas presos e incomunicáveis há mais de dez dias

Apesar da pressão de entidades internacionais de direitos humanos e de defesa à livre expressão, o proprietário e diretor do canal de TV nicaraguense 100% Noticias, Miguel Mora, e a chefe de jornalismo da emissora, Lucía Pineda, permanecem presos desde o dia 21 de dezembro de 2018, isolados e sem poder ver familiares e advogados.

A informação é do advogado Julio Montenegro, da Comissão Permanente de Direitos Humanos (CPDH), segundo informou o Centro Knight. Recentemente a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) e a ONG Repórteres Sem Fronteira (RSF) condenaram as prisões, assim como o fechamento da emissora e demais violações ao trabalho jornalístico e à mídia independente, e atuam em várias frentes para dar fim à dura repressão imposta pelo presidente da Nicarágua, Daniel Ortega.

Nas últimas semanas, o mandatário nicaraguense fechou e confiscou três veículos de comunicação: Esta Semana e Confidencial, do jornalista Carlos Fernando Chamorro; e o 100% Noticias. “Com essa ação, o regime de Ortega mostra sua intenção de fechar todas as formas de expressão no país”, disse María Elvira Domínguez, presidente da SIP. A coordenadora de programas das Américas Central e do Sul do CPJ, Natalia Southwick, chamou o ataque de "uma escalada inaceitável da repressão do governo nicaraguense à mídia independente do país".

A SIP encaminhou correspondência ao secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, pedindo que a organização analise e adote as medidas necessárias para o cumprimento da Carta Democrática Interamericana na Nicarágua. A RSF pediu que o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, interceda o mais rapidamente possível junto a Ortega para "interromper as medidas arbitrárias contra a imprensa e restaurar o respeito à liberdade de imprensa no país", relatou site Portal Imprensa. De acordo com a RSF, os ataques e a censura contra o jornalismo independente foram intensificados depois de novembro. 

Mora e Lucía, do 100% Noticias, enfrentam acusações de "fomentar e incitar o ódio e a violência" e "provocação, proposição e conspiração para cometer atos terroristas", segundo a DW. Uma audiência inicial para Mora está prevista para 25 de janeiro. Há ainda perseguição a outros jornalistas da emissora, diz o Centro Knight. Um juiz também emitiu mandados de prisão para o comentarista político Jaime Arellano e os jornalistas Luis Galeano e Jackson Orozco, todos profissionais do Canal de TV. A promotoria acusa-os de promover e incitar o ódio.

A redação do Canal 100% Noticias foi invadida na noite de 21 de dezembro.  Antes, em 13 de dezembro, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA outorgou medidas cautelares a Mora e à jornalista Leticia Gaitán Hernández, também da emissora, assim como a suas famílias. Na época, Edison Lanza, Relator Especial para a Liberdade de Expressão da CIDH, disse ao Centro Knight: “Estamos entrando em uma fase na Nicarágua de perseguição seletiva contra as vozes mais independentes e a mídia mais independente que mantém o jornalismo vivo na Nicarágua".

Leia mais em:

https://www.laprensa.com.ni/2018/12/26/politica/25084ornalista80-la-dictadura-orteguista-no-quiere-testigos-de-la-represion

https://knightcenter.utexas.edu/pt-br/blog/00-20457-jornalistas-nicaraguenses-estao-presos-e-incomunicaveis-enquanto-governo-ortega-contin