Imprimir esta página
Estúdio de gravação do podcast “The Daily”, do NYT Estúdio de gravação do podcast “The Daily”, do NYT Reprodução

Newsletter, áudio e personalização são armas dos publishers para incrementar assinaturas digitais em 2019

Para garantir maior engajamento de seus assinantes digitais e buscar novas assinaturas, prioridades para os publishers em 2019, alguns dos mais influentes jornais norte-americanos decidiram investir preferencialmente em três produtos: newsletter, áudio (incluindo podcast) e conteúdo e atendimento personalizado aos leitores. Essas são as conclusões dos 15 executivos internacionais que participaram da mais recente rodada de estudos a redações dos Estados Unidos promovida pela Associação Mundial de Jornais (WAN-IFRA, na sigla em inglês), realizada no fim de 2018.

O grupo constatou, segundo relato do site Laboratorio de Periodismo que as newsletters são estratégias cada vez mais bem-sucedidas e, ao mesmo tempo, ganham em sofisticação. O jornal The Washington Post, por exemplo, utiliza seus boletins como principal veículo para impulsar sua estratégia de assinaturas digitais, mantendo uma equipe exclusivamente dedicada para este trabalho. Algo parecido ocorre no The New York Times e no site de notícias Axios, cujos os boletins são gratuitos e têm papel decisivo no modelo de negócio da empresa. São 17 newsletters (seis delas diárias).

O grupo Philadelphia Media Network, por sua vez, desenvolveu newsletters que dão prioridade a temas locais que cobrem política, esportes, gastronomia e eventos. Para a empresa, os boletins são “ponte para as pessoas que ainda não fizeram suas assinaturas”. Com frequência as newsletters oferecem promoções na tentativa de conquistar novos clientes para o grupo.

Realidade Virtual, Realidade Aumentada e Inteligência Artificial são importantes, segundo os executivos, mas devem ser exploradas com mais eficácia mais à frente. Enquanto isso, o vídeo segue relevante, mas acumula muitas frustrações entre os publishers.

Mudando rotinas

Em contrapartida, o áudio foi o recurso mais citado durante a rodada de visitas a redações de Washington DC, Filadélfia e em Nova York. Segundo depoimento dos líderes dessas redações, rápidas inserções informativas de áudio ou podcasts especializados em determinados temas têm conquistado cada vez mais audiência, a ponto de as pessoas estarem adaptando rotinas para consumir notícias em áudio. Muitas dessas iniciativas estão fora dos paywalls, justamente na tentativa de atrair novos assinantes.

No quesito personalização, o The New York Times, por exemplo, criou um conceito de “amigo inteligente”, que repassa recomendações e ajuda o leitor a se preparar para o dia, com um resumo de notícias e serviços. O grupo Philadelphia Media Network implementou uma ferramenta chamada Hearken para criar uma plataforma aberta e atrativa onde os leitores aprendem mais sobre sua cidade natal e, ao mesmo tempo, ficam mais próximas das publicações da empresa de comunicação.

Leia mais em:

https://www.laboratoriodeperiodismo.org/newsletter-audio-y-personalizacion-prioridades-de-los-medios-estadounidenses-para-2019/