Facebook permitiu que crianças gastassem dinheiro dos pais sem permissão e, muitas vezes, sem saber que o gasto era real Reprodução/The Guardian

Facebook permitiu que crianças gastassem dinheiro dos pais sem permissão e, muitas vezes, sem saber que o gasto era real

As artimanhas do Facebook para lucrar parecem infindáveis. Até crianças foram usadas para que rede social levantasse dinheiro. A informação está em um relatório de mais de cem páginas de um processo movido em 2012 por pais cujos filhos caíram no que, para muitos, é chamado de golpe. Na prática, o Facebook permitiu de forma consciente que crianças gastassem em jogos com os cartões de crédito dos pais sem a permissão deles. A ação foi encerrada em 2016 com um acordo firmado a pedido da rede social norte-americana, que se comprometeu a “dedicar uma equipe interna para reembolsar solicitações de compras no aplicativo feitas por menores dos Estados Unidos”.

O acordo, porém, não tira o brilho de uma história de deixar qualquer gatuno extasiado. Os documentos judiciais do processo, obtidos pelo Center for Investigative Reporting, sediado nos Estados Unidos, revelam que a equipe do Facebook discutiu o que fazer com as “baleias”, como se referiam às crianças que gastavam muito dinheiro, antes de decidirem recusar reembolsos. Internamente, a empresa descreveu o problema como uma "fraude amigável".

Um integrante da equipe encarregado de um projeto para aumentar as receitas de jogos da empresa disse que no caso de alguns jogos o que ocorreu foi particularmente perverso. Esses jogos permitiam que os usuários comprassem vantagens para competir com dinheiro real. Mas o link não era claro para pais e filhos. Relatório interno do Facebook mostra que as crianças mais novas não entendiam o conceito, enquanto as mais velhas e os adolescentes não sabiam que os cartões de crédito de seus pais estavam vinculados à conta e eles estavam gastando milhares de dólares de verdade.

Relatório interno da rede social menciona que uma criança fez compras de US$ 6,5 mil (R$ 24,5 mil) no cartão de crédito de seu pai em apenas duas semanas. Em 2011, os executivos do Facebook perceberam o problema devido à quantidade de pedidos de estorno reportados pelos desenvolvedores de jogos na plataforma. Um deles afirmou que 9% de sua receita estava sendo retida por causa disso.

A porcentagem é extremamente alta considerando que, em média, as empresas reportam 0,5% de pedidos de estorno, informou a revista Época, do Grupo Globo. Operadoras como Visa e Mastercard, detalha o site Fast Company, classificam como “alta” uma taxa de 1%. Para a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos, uma taxa de 2% de estorno é um sinal de um negócio de fachada.

Em um esforço para resolver o problema, uma equipe de funcionários do Facebook elaborou uma política que exigiria que as crianças redigitassem alguns detalhes do cartão, como os números, antes que pudessem comprar os itens do jogo, para provar que tinham a permissão dos pais. Mas o recurso nunca foi implementado.

Na verdade, diz o jornal The Guardian, a política explícita do Facebook, conforme comunicada aos desenvolvedores em um memorando interno, era lidar com essas reclamações distribuindo itens virtuais gratuitos, não reembolsando as cobranças, uma vez que os bens virtuais não têm custo”.

Em comunicado divulgado nesta sexta-feira (25), um porta-voz do Facebook disse: "Fomos contatados pelo Centro de Relatórios Investigativos no ano passado e revelamos voluntariamente documentos relacionados a um caso de 2012 sobre nossas políticas de reembolso para compras no aplicativo que os pais acreditam terem sido feitos em erro por seus filhos menores. (...) Em 2016, concordamos em atualizar nossos termos e fornecer recursos dedicados para solicitações de reembolso relacionadas a compras feitas por menores no Facebook.”

Leia mais em:

https://www.theguardian.com/technology/2019/jan/25/revealed-facebook-let-kids-run-up-huge-bills-maximise-revenue

https://epocanegocios.globo.com/Empresa/noticia/2019/01/facebook-permitiu-que-criancas-gastassem-dinheiro-dos-pais-sem-permissao.html

https://www.fastcompany.com/90297047/facebook-allowed-children-to-spend-their-parents-money-without-permission