Imprimir esta página
Presidente da AA, Keith Weed, ex-líder global de marketing da Unilever Presidente da AA, Keith Weed, ex-líder global de marketing da Unilever Reprodução/AA

Queda da credibilidade alerta a publicidade britânica; “Confiança ou fracasso”, diz presidente da associação do setor

Recente pesquisa da Advertising Association (AA), que representa anunciantes, agências de publicidade e marcas do Reino Unido, revelou um recorde negativo na taxa de confiança dos britânicos na publicidade – 25% em dezembro de 2018, contra 35% em 2017 e 48% em 1992. O desgaste acelerado levou o presidente da AA, Keith Weed, que recém deixou a liderança global de marketing da Unilever, a convocar o setor publicitário do Reino Unido a reverter o quadro, sob pena de a atividade perder a relevância. “Confiança ou fracasso”, alertou o executivo durante encontro anual da entidade, no começo de fevereiro.

A crise de credibilidade da publicidade está interligada ao modelo de negócio dominante no meio digital e à redução da participação do impresso. Ou seja, é mais um dos reflexos do amplo domínio do duopólio digital formado por Facebook e Google, marcado por um desequilíbrio competitivo extremamente favorável aos dois gigantes de tecnologia que tem minado as empresas noticiosas.

Recente estudo do Plum Consulting, feito a pedido do governo britânico, mostra que os investimentos com publicidade na Internet no Reino Unido aumentaram de £ 3,5 bilhões em 2008 para £ 11,5 bilhões em 2017, uma taxa de crescimento anual de 14%. Nesse período de crescimento, a maior parte dos recursos migrou dos veículos de comunicação para Facebook e Google, que respondiam por mais da metade (54%) dos valores de publicidade online do Reino Unido no ano retrasado, percentual que vem subindo desde então. Esse poder vem da coleta de dados primários de um grande número de usuários conectados, que não são compartilhados com os publishers.

No encontro anual da AA, Weed disse que há claramente um problema de confiança e credibilidade na publicidade. “A confiança tem que vir das pessoas que servimos. Então, se não estamos obtendo a confiança do público, nossa atividade deixa de ser relevante", advertiu. O executivo enumerou cinco metas para sua gestão, que estão associadas à frente para reconquistar a confiança das pessoas. São elas:

1. Reduzir o impacto negativo do bombardeamento de mensagens publicitárias sobre os consumidores;
2. Melhores práticas para gerir a frequência excessiva e o excesso de retargeting;
3. Sensibilização para revigorar a autorregulação do conteúdo publicitário;
4. Sensibilização para uma regulamentação eficaz do emprego de dados pela publicidade;
5. Congregar todo o setor e os anunciantes para disseminar e suportar com abrangência e intensidade o conceito de que a publicidade é uma "força do bem".

Leia mais em:

https://www.adassoc.org.uk/policy-areas/keith-weed-at-lead-19-its-trust-or-bust/

http://www.cenp.com.br/conteudos-cenp