News Corp pede o desmembramento do Google para “remediar danos” Reprodução/Hollywood Reporter

News Corp pede o desmembramento do Google para “remediar danos”

O poderoso conglomerado de comunicação News Corp, do bilionário Rupert Murdoch, elevou nesta semana o tom de seu discurso contra a concentração de poder das gigantes digitais, particularmente o Google. A empresa jornalística afirma que a companhia de buscas prejudica consumidores, anunciantes e publishers.

Na Austrália, a News Corp pediu à agência reguladora de competição do país, a Australian Competition and Consumer Commission (ACCC), para que o Google seja desmembrado com o objetivo de "remediar danos" que seu domínio online causou aos publishers e consumidores.

A empresa de comunicação sugeriu que o Google venda seu mecanismo de busca ou o resto de seus negócios para reduzir seu "poder de mercado substancial". Em sua representação, a News Corp disse que “o Google aproveita seu poder de mercado tanto em serviços de busca geral quanto em serviços de tecnologia de anúncios em detrimento de consumidores, anunciantes e editores de notícias”.

A News Corp também recomendou que as plataformas parassem de usar o conteúdo de notícias sem "compensação justa" aos publishers, limitando seu acesso a dados nos sites de editores e forçando plataformas a entregar a empresas jornalísticas todos os dados de visitas a seus sites.

A movimentação do grupo de Murdoch revela que a insatisfação com o domínio das empresas de tecnologia na publicidade online nos Estados Unidos não se limita mais a um espectro político de centro à esquerda. As ideias defendidas pela News Corp – proprietária da emissora de televisão Fox, alinhada à direita – assemelham-se às da senadora democrata Elizabeth Warren, que aspira uma candidatura à presidência.

Na sexta-feira (8) da semana passada, a senadora afirmou que, se for eleita presidente dos Estados Unidos, vai tentar dividir Amazon, Google e Facebook, como parte de uma mudança estrutural no setor de tecnologia para promover a concorrência. "Elas destruíram a concorrência, usaram nossas informações privadas para lucrar e viraram o campo de jogo contra todos os outros. E, no processo, elas prejudicaram os pequenos negócios e sufocaram a inovação."

Favorável a Trump, diz reportagem

Mas a empresa de Murdoch, que controla a Dow Jones, os jornais The Wall Street Journal, The Times, The Sunday Times, vários tabloides e uma rede de jornais na Austrália, além da cadeia de televisão Fox, também está sob ataque, justamente por manter práticas que, de certa forma, podem ser comparadas às que alega serem comuns entre as companhias do Vale do Silício, que desequilibram a concorrência. O que já havia ocorrido em 2011, quando Murdoch teve de fechar o jornal sensacionalista britânico News of the World, de 168 anos, após a revelação que profissionais do veículo e de outros tabloides da empresa fizeram uso de grampos ilegais e invasão de privacidade para obter informações de milhares de pessoas, incluindo políticos e celebridades.

Agora, a empresa de comunicação tem, no entendimento de vários analistas, usado a Fox para favorecer uma linha ideológica favorável ao presidente Donald Trump. Reportagem da jornalista Jane Mayer, da revista New Yorker, no começo deste mês, revela que a Fox News ignorou preceitos básicos do jornalismo para favorecer Trump. A revista contou que a emissora sabia, por exemplo, dos pagamentos ilegais à atriz pornô Stormy Daniels antes da eleição presidencial de 2016, mas evitou publicar a história após uma decisão do próprio Murdock.

O texto na New Yorker afirma que a jornalista da Fox, Diana Falzone “obteve provas” do suposto caso de Trump com Stormy, e também dos e-mails que ele teria enviado a seu então advogado, Michael Cohen, planejando comprar o silêncio da atriz. No entanto, a revelação nunca foi ao ar. Ken LaCorte, um executivo da Fox teria dito a Falzone: “Bom trabalho, garota. Mas Rupert quer que Trump vença. Então esqueça”. Na ocasião, o então editor-chefe do site da Fox News, Noah Kotch, afirmou que a reportagem não havia sido publicada porque os editores não foram capazes de confirmar sua veracidade.

Na sua reportagem, Jane classificou como “um oleoduto direto” as já conhecidas relações entre o governo Trump e a Fox News. O presidente, relata o jornal O Globo, assiste à Fox News com frequência, muitas vezes expressando suas reações às matérias do canal em tempo real no Twitter. Desde sua chegada à Presidência, Trump já foi entrevistado mais de 40 vezes pela Fox News – algo que outras emissoras, como a CNN, nunca conseguiram.

Misoginia, homofobia e racismo

A Fox passa por outros dissabores. No domingo, o Media Matters of America, uma think tank à esquerda, divulgou gravações de anos atrás de um dos principais apresentadores do canal, Tucker Carlson, referindo-se às mulheres em termos depreciativos. Também divulgou um áudio no qual Carlson usou linguagem racista e homofóbica. O jornalista reconheceu ter feito as declarações.

Além disso, outra apresentadora da emissora, Jeanine Pirro, criticou no último sábado a congressista democrata Ilhan Omar, que é muçulmana, afirmando que as crenças religiosas islâmicas da parlamentar ferem a Constituição dos Estados Unidos. A Fox condenou o comentário de Jeanine.

Leia mais em:

https://www.pressgazette.co.uk/news-corp-pushes-for-google-to-be-broken-up-by-australian-regulator-to-end-substantial-market-power/?utm_medium=email&utm_campaign=2019-03-12&utm_source=Press+Gazette+Daily+new+layout

https://www.theguardian.com/media/2019/mar/12/google-must-be-broken-up-due-to-its-overwhelming-power-news-corp-says?utm_term=RWRpdG9yaWFsX01lZGlhQnJpZWZpbmctMTkwMzEy&utm_source=esp&utm_medium=Email&utm_campaign=MediaBriefing&CMP=media_email

http://deadline.com/2018/05/news-corp-calls-algorithm-review-board-monitor-potential-abuse-1202387678/

HTTPS://WWW.CJR.ORG/THE_MEDIA_TODAY/FOX-SHINE-PIRRO-CARLSON.PHP?UTM_SOURCE=CJR+DAILY+NEWS&UTM_CAMPAIGN=589C3D608A-EMAIL_CAMPAIGN_2018_10_31_05_02_COPY_01&UTM_MEDIUM=EMAIL&UTM_TERM=0_9C93F57676-589C3D608A-174426941

https://oglobo.globo.com/mundo/fox-news-ocultou-caso-de-trump-com-atriz-porno-diz-revista-23499135

https://news.yahoo.com/omar-thanks-fox-news-for-condeming-jeanine-pirros-comments-172133469.html