Reino Unido vai investigar o domínio de Google e Facebook na publicidade digital Reprodução

Reino Unido vai investigar o domínio de Google e Facebook na publicidade digital

O ministro das Finanças britânico, Philip Hammond, determinou ao órgão regulador da concorrência que faça uma investigação no mercado de publicidade digital do Reino Unido, no valor de 13 bilhões de libras, dominado pelas empresas de tecnologia norte-americanas Google e Facebook.

Hammond usou sua declaração anual da primavera para pedir à Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA, na sigla em inglês) para conduzir uma revisão do mercado de publicidade digital seguindo uma recomendação feita em um relatório independente para o Tesouro britânico conduzido por Jason Furman, economista-chefe do ex-presidente norte-americano Barack Obama, ao lado de outros especialistas.

O relatório detalhou como a estrutura de competição do Reino Unido não está apta para os desafios econômicos impostos pelos mercados digitais, internamente e em relação ao exterior. De acordo com o documento, o mercado de publicidade digital "é dominado por dois players (Google e Facebook) e sofre com a falta de transparência".

O painel de especialistas recomendou que o órgão regulador inicie um estudo formal de mercado para investigar o Google e o Facebook, conforme solicitado agora por Hammond. Também sugeriu que mudanças nas regras de fusão de empresas são necessárias para que o governo tenha "mais poder" para impedir aquisições digitais que possam "prejudicar a competição futura, a inovação e a escolha do consumidor".

Em uma carta ao presidente da CMA, Lord Tyrie, Hammond disse: "Os poderes de conhecimento e coleta de informação da CMA a colocam em posição única para escrutinar este setor, que tem sido amplamente descrito como desprovido de transparência e quando apropriado fazer recomendações ao governo. "

Hammond acrescentou que a investigação oficial sobre práticas de mercado forneceria uma maior compreensão da existência, natureza e "possíveis soluções para quaisquer problemas dentro do mercado de publicidade digital". Disse ainda que aumentaria a capacidade da CMA de detectar e avaliar fusões digitais, quando estas podem ser motivo de preocupação.

Em sua declaração de primavera, Hammond afirmou que o governo faria as empresas de tecnologia "pagarem seu quinhão" e "proteger os consumidores dos danos online". Segundo ele, "Westminster [área do governo perto do Palácio de Buckingham] lideraria o mundo na oferta de uma economia digital que funcionasse para todos".

O anúncio de Hammond veio logo depois da publicação de outro relatório, da Câmara dos Lordes, no início desta semana, segundo o qual o governo deveria criar uma "Autoridade Digital" central para assumir a responsabilidade de regulamentar o setor digital, com base em órgão já existentes. A nova organização seria "um centro interno de conhecimento sobre as tendências digitais, que ajuda a explorar o horizonte de riscos emergentes e lacunas na regulamentação".

Brexit pode ser obstáculo

Em outubro passado, Andrea Coscelli, executivo-chefe da CMA, disse que o órgão estava "considerando ativamente" o lançamento de uma investigação sobre o mercado de publicidade digital. Coscelli afirmou que, se fosse iniciar uma investigação, estaria de mãos dadas com o regulador de mídia do Reino Unido, Ofcom.

No entanto, nesta semana, o órgão regulador informou que o Brexit pode ser um grande impedimento para assumir uma nova e significativa investigação. "A CMA também está considerando se deve realizar trabalho no mercado de publicidade digital", disse o órgão. "No entanto, sua capacidade de lançar novos projetos depende muito do resultado das negociações de saída da UE".

No mês passado, Jeremy Wright, o secretário de cultura, disse à Câmara dos Comuns que ele também pediu à CMA para lançar um estudo sobre o mundo da propaganda online “amplamente opaco e extremamente complexo”. A recomendação para lançar o inquérito foi incluída no relatório de Frances Cairncross sobre o futuro da imprensa.

O Google e o Facebook atualmente respondem por cerca de dois terços do mercado de anúncios digitais do Reino Unido. Segundo previsão do eMarketer, as duas empresas devem controlar cerca de 72% até 2020.

Leia mais em:

https://www.theguardian.com/media/2019/mar/13/hammond-calls-for-regulator-investigation-uk-digital-ad-market-facebook-google

https://www.thedrum.com/news/2019/03/13/uk-government-probe-dupolys-digital-ad-dominance

https://www.pressgazette.co.uk/culture-secretary-sets-out-next-steps-for-cairncross-review-proposals-and-hails-report-important-milestone-for-news-media/

https://www.pressgazette.co.uk/uk-competition-watchdog-should-investigate-opaque-digital-ad-market-dominated-by-two-players-report-says/?utm_medium=email&utm_campaign=2019-03-13&utm_source=Press+Gazette+Daily+new+layout

https://techcrunch.com/2019/03/13/daily-crunch-spotify-apple/

https://www.pressgazette.co.uk/lords-push-for-new-regulator-to-oversee-control-of-internet-and-digital-platforms/?utm_medium=email&utm_campaign=2019-03-13&utm_source=Press+Gazette+Daily+new+layout