Desinformações nas redes sociais funcionam como truques de mágica, o que as tornam perigosamente atraentes Reprodução

Desinformações nas redes sociais funcionam como truques de mágica, o que as tornam perigosamente atraentes

O estudo científico dos truques de mágica, que funcionam ao manipular as percepções das plateias dos ilusionistas, é hoje um aliado do jornalismo, das instituições e de governos dispostos a combater a desinformação nas redes sociais. Pesquisas mostram que algumas pessoas estão mais dispostas a acreditar em notícias falsas por causa de seus preconceitos cognitivos, as empurrando para o engajamento de conteúdos que fortalecem suas opiniões. Os cientistas agora estão tentando entender o mecanismo desses vieses comparando notícias falsas e truques de mágica, dois exemplos de falsas verdades que ainda produzem uma impressão de verdade, relatam a revista Slate e a BBC.

A mágica manipula ao "explorar as falhas cognitivas", diz Gustav Kuhn, diretor do Magic Lab do departamento de psicologia da Universidade de Londres. Os estudos feitos no laboratório abordam a atenção mental e a cognição ilusória generalizada, permitindo que os pesquisadores comparem as respostas cognitivas das pessoas a ilusões de ótica, truques de mágica ou informações falsas.

Se todos sabem que durante um truque de mágica nossos sentidos são enganados, a maioria de nós olha e espera com a mesma impaciência infantil pela revelação final, diz Kuhn. Isso é explicado pela "má orientação" (misdirection), a técnica mágica de levar as pessoas a não olhar para o que é importante, mas para distraí-las, mudar de assunto, usar um acessório dramático para chamar sua atenção a outro lugar, para que eles não vejam o que está acontecendo diante de seus olhos. É isso que garante a ilusão.

Outro elemento-chave de um truque de mágica é a "técnica de forçar". Quando o ilusionista pede para alguém da audiência escolher uma carta aleatoriamente, as pessoas imaginam que a escolha é delas. Na realidade, afirma o pesquisador, as escolhas não são pessoais, mas ditadas pelo artista. "O livre arbítrio é uma ilusão. As pessoas são muito mais sugestionáveis do que imaginam. Todas as nossas percepções são muito maleáveis”, diz Kuhn.

Os algoritmos das redes sociais possuem engrenagens para funcionar da mesma forma, manipulando as audiências. Algo que pode ser potencializado quando utilizado em campanhas direcionadas para formar opinião, em especial na política. Por isso, explica Kuhn, a desinformação nas redes sociais tem tanta eficácia. A lição da magia, continua o pesquisador, é que, mesmo que um conteúdo seja reconhecido como falso, ele ainda impressiona e rouba a atenção.

Repetindo o conceito da "técnica de forçar" dos mágicos, as pessoas pensam que fazem escolhas aleatórias, mas na verdade suas decisões estão sendo manipuladas; não há escolhas reais. O conjunto de sugestões e o uso de falsas opções, assinala Kuhn, podem ser mal utilizados para fins políticos.

Kuhn detalha que a tentativa de tentar explicar a mágica que nos ilude, em busca dos truques por trás dela, é uma parte importante na construção do fascínio da magia. É, segundo ele, uma sensação que produz uma resposta profundamente enraizada, tentando reconciliar esse "conflito cognitivo" e desencadeando parte do cérebro, o córtex pré-frontal dorsolateral. “Desde muito cedo somos atraídos pelo que não entendemos, com um incentivo evolutivo para tentar entender o que parece ser inexplicável, afirma diz o pesquisador.

Aplicada ao estudo da desinformação, é possível perceber os motivos que levam as pessoas a se sentirem confortáveis em relação a algo falso, mas dentro do universo de suas opiniões, enquanto ficam desconfortáveis quando a verdade é revelada. Kuhn diz que é profundamente perturbador quando as pessoas são confrontadas com algo que desorienta e distorce seus sentidos. Quando isso é colocado no contexto de um truque de mágica, entretanto, torna-se divertido. "É um momento emocionante para pesquisar magia", diz Kuhn, mostrando como os truques podem dar "uma nova visão sobre os pontos fortes e fracos de nossas próprias mentes".

Leia mais em:

https://www.bbc.com/news/education-47827346

http://www.slate.fr/story/175656/fake-news-meme-mecanisme-tour-de-magie?utm_source=Ownpage&_ope=eyJndWlkIjoiNTk0MDliNTVmZWIyZGU2MWIwMzUyMGU1YWYwNGI2MmUifQ%3D%3D