Facebook negocia com EUA inclusão de comitê de supervisão de privacidade na empresa; possível acordo recebe críticas Reprodução

Facebook negocia com EUA inclusão de comitê de supervisão de privacidade na empresa; possível acordo recebe críticas

As negociações em andamento entre o Facebook e a Comissão Federal de Comércio (FTC, em inglês), que investiga as falhas de privacidade da maior rede social do mundo, incluem algo mais do que uma multa entre US$ 3 bilhões e US$ 5 bilhões. O órgão e a empresa estão conversando sobre um acordo que exigiria do Facebook a criação de um comitê independente de privacidade e adotasse outras medidas para proteger os usuários, informou o site Politico. O possível acerto foi criticado por especialistas.

A medida passa pela nomeação de um funcionário de privacidade aprovado pelo governo federal no mais alto nível do Facebook e pela criação de um comitê de supervisão de privacidade que pode incluir membros do conselho da rede social. A FTC tem investigado denúncias de que o Facebook compartilhou de forma ilegal dados de 87 milhões de usuários com a agora extinta consultoria britânica Cambridge Analytica. A investigação avalia se esse compartilhamento de dados e outras falhas violaram um acordo de 2011 fechado com a FTC para proteger a privacidade do usuário.

O acordo em negociação, segundo o Politico, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, assumiria o cargo de "responsável pela conformidade", responsável pela execução das políticas de privacidade da empresa, disse o relatório. Tanto o Facebook quanto a FTC se recusaram a comentar a reportagem.

Um proeminente defensor da privacidade disse ao Politico que o acordo proposto, mesmo com uma boa estrutura de governança e privacidade, não será o suficiente para frear o monopólio do Facebook. "Os remédios adicionais não são significativos", afirmou Marc Rotenberg, diretor-executivo do Electronic Privacy Information Center. "Criar um escritório independente ou um escritório dentro do Facebook – que, a propósito, não é independente – não estabelece novas obrigações de privacidade, nem garante a conformidade”, enfatizou o especialista, para quem um conselho não cria novos direitos de privacidade para os usuários da internet. "E dizer que Mark Zuckerberg é pessoalmente responsável... Mark Zuckerberg é o Facebook, então o que isso significa? Não acrescenta nada."

Outra informação, do The Washington Post, indica que Zuckerberg pode ser apontado como o responsável direto pelos escândalos de vazamento de dados e violação da privacidade de usuários pelo Facebook após a investigação da FTC, relatou o jornal O Globo.

Leia mais em:

https://www.politico.com/story/2019/05/01/new-privacy-oversight-on-the-table-for-facebook-zuckerberg-1402278

https://br.reuters.com/article/internetNews/idBRKCN1S817E-OBRIN

https://oglobo.globo.com/economia/acordo-entre-facebook-eua-pode-incluir-comite-de-supervisao-de-privacidade-na-empresa-23636764