Imprimir esta página
SIP condena mais um assassinato de jornalista no México e critica ataques de López Obrador à imprensa Reprodução

SIP condena mais um assassinato de jornalista no México e critica ataques de López Obrador à imprensa

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) condenou o sétimo assassinato de jornalista no México desde dezembro de 2018 e cobrou do presidente Andrés Manuel López Obrador melhorias imediatas no sistema de proteção de segurança dos comunicadores do país, assim como a investigação dos crimes e o fim da impunidade. A organização também informou estar preocupada com as hostilidades do governante, que tomou posse em 1º de dezembro do ano passado, em relação à imprensa.

O mais recente homicídio é o de Telésforo Santiago Enríquez, assassinado a tiros na tarde da última quinta-feira (2) quando estava a caminho da estação de rádio comunitária Estéreo Cafetal, da qual foi o fundador. O jornalista, que tinha um programa voltado à comunidade indígena em Oaxaca (sul), foi morto a tiros na cidade de Juchitán. "Insistimos e exigimos que as autoridades mexicanas que corrijam o falido sistema de proteção e de segurança aos jornalistas, assim como as instâncias de investigação criadas para atender estes casos”, disse a presidente da SIP, María Elvira Domínguez. “Não bastam boas intenções, é hora de atuar com seriedade".

Além de Santiago Enríquez, foram mortos no México desde 1º de dezembro os seguintes jornalistas: Omar Iván Camacho (25 de março, em Sinaloa); Santiago Barroso Alfaro (15 de março, em Sonora); Jesús Eugenio Ramos (9 de fevereiro, em Tabasco); Rafael Murúa Manríquez (19 de janeiro, na Baja California Sur); Diego García Corona (4 de dezembro, em Morelos); e Jesús Alejandro Márquez (1º de dezembro, em Nayarit).

Leia mais em:

https://www.sipiapa.org/notas/1213200-nuevo-asesinato-periodista-un-ambiente-hostigamiento-contra-medios-mexico