The Wall Street Journal cria comitê de combate a vídeos falsos nas redes sociais Reprodução/Poynter

The Wall Street Journal cria comitê de combate a vídeos falsos nas redes sociais

O jornal norte-americano The Wall Street Journal criou um comitê com 21 integrantes de sua redação para identificar vídeos falsos criados com o auxílio de inteligência artificial e tecnologia de fácil acesso, conhecidos como deepfakes. A proliferação deste tipo de conteúdo é considerada uma ameaça à campanha eleitoral dos Estados Unidos de 2020, e os veículos jornalísticos estão empenhados em criar mecanismos de combate a esse tipo de fraude.

O comitê do The Wall Street Journal responde às perguntas dos repórteres sobre se um conteúdo foi manipulado. A análise de cada vídeo suspeito é feita com base em critérios definidos pelo jornal que determinam se há ou não manipulação. Após cada consulta dos repórteres, os integrantes do comitê escrevem um relatório com detalhes sobre o que aprenderam.

"Essa é uma tempestade perfeita, a tecnologia está evoluindo tão rapidamente, é um importante ponto de inflexão. Queremos ser proativos”, disse o chefe de pesquisa e desenvolvimento do jornal norte-americano ao site especializado Digiday. O The Wall Street Journal também promove com regularidade em sua redação palestras nas quais pesquisadores repassam aos jornalistas técnicas de como detectar vídeos falsos.

Não é um trabalho tão fácil quanto se imagina. Depois de publicados nas redes sociais, os deepfakes se propagam em alta velocidade. O que torna a tarefa ainda mais complicada, diz o Digiday, é que muitos vídeos manipulados não são maliciosos, mas feitos para efeito cômico ou satírico. "Há boas intenções, mas sempre haverá maus atores", disse Marconi. “A proliferação de mídia manipulada traz consequências negativas para o jornalismo e à sociedade”.

Como muitas novas tecnologias, os vídeos manipulados por inteligência artificial têm raízes na indústria pornográfica. A startup de segurança cibernética DeepTrace detectou mais de 8 mil vídeos pornográficos falsos em sites de entretenimento adulto.

Leia mais em:

https://digiday.com/media/the-wall-street-journal-has-21-people-detecting-deepfakes/?utm_source=Pew+Research+Center&utm_campaign=1dff2dd1e3-EMAIL_CAMPAIGN_2019_07_01_01_23&utm_medium=email&utm_term=0_3e953b9b70-1dff2dd1e3-399348773