Organizações de notícias não sobreviverão sem ação imediata contra Google e Facebook, diz editora do Daily Mail Reprodução

Organizações de notícias não sobreviverão sem ação imediata contra Google e Facebook, diz editora do Daily Mail

O grupo britânico DMG Media, que edita o jornal Daily Mail, alertou aos reguladores do Reino Unido que o setor de notícias "não será capaz de sobreviver por muito mais tempo" se não for tomada uma ação "ação imediata e decisiva" sobre o domínio do Facebook e do Google no mercado de publicidade digital.

O aviso veio em resposta do publisher à investigação da Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA, em inglês) sobre se a concorrência no mercado de publicidade digital é "distorcida" pelo duopólio digital, segundo o site Press Gazette. O estudo analisará "as fontes de qualquer poder de mercado, a maneira como coletam e usam dados pessoais e se a concorrência na publicidade digital está produzindo bons resultados para os consumidores".

Em comunicado, a DMG Media disse que o estudo de mercado da CMA, que será publicado em 3 de julho do próximo ano, deve adotar "ações rápidas e decisivas" se o mercado de anúncios digitais "não estiver funcionando bem". A DMG Media disse à CMA que existe um "alto grau de urgência em garantir que as receitas da publicidade digital não sejam apropriadas pelas plataformas digitais à custa dos editores de notícias". No comunicado, a empresa observou que "muito poucas" editoras de notícias do Reino Unido conseguiram obter lucro.

A empresa observou que, embora o Mail Online seja o maior site de jornal em inglês do mundo, com uma média de 172 milhões de visitantes únicos mensais, isso "não foi acompanhado por um crescimento exponencial semelhante na receita de publicidade". A empresa, portanto, permanece dependente das receitas de impressão e, em particular, dos preços de cobertura, embora o Mail Online tenha sido lucrativo desde o último trimestre de 2017.

Todas as agências de notícias nacionais do Reino Unido continuam, de fato, a ver a circulação impressa cair, de acordo com os últimos números da ABC. O The Guardian registrou o menor declínio: uma queda de circulação anual de 5%, para uma média de 128.265 cópias em agosto. A maior redução ano a ano foi registradoa pelo Daily Star Sunday, com 19%, seguido pelo Sunday People, com 18%. O The Sun continua sendo o jornal nacional mais vendido, com uma circulação média de 1,3 milhão em agosto, apesar de uma queda de 12%. O Daily Mail está atrás dos 1,2 milhões e estabeleceu novos recordes de participação no mercado de varejo para as edições de dia da semana, sábado e domingo.

O Guardian Media Group, proprietário dos jornais The Guardian e The Observer (dominical) destacou recentemente o regime regulatório proposto deve ser um "regulador estatutário permanente que pode examinar questões existentes e emergentes com as práticas de plataformas com status estratégico de mercado". O Canal 4, por sua vez, disse à CMA que acredita que "é necessária uma reforma regulatória fundamental do mercado de publicidade digital para facilitar a concorrência e proteger adequadamente os consumidores".

Leia mais em:

https://www.pressgazette.co.uk/national-newspaper-abcs-guardian-sees-smallest-circulation-decline-in-august-as-daily-star-sunday-worst-hit/?utm_medium=email&utm_campaign=2019-09-12&utm_source=Press+Gazette+Daily+new+layout

https://www.pressgazette.co.uk/mail-publisher-urges-cma-to-take-decisive-action-on-duopolys-ad-market-dominance-or-news-industry-wont-survive/?utm_medium=email&utm_campaign=2019-09-12&utm_source=Press+Gazette+Daily+new+layout