A um ano da eleição nos EUA, Facebook diz que não vai remover mentiras e ódio em postagens políticas  Reprodução

A um ano da eleição nos EUA, Facebook diz que não vai remover mentiras e ódio em postagens políticas 

O Facebook informou esta semana que não vai excluir postagens de políticos em seu site nem os rotulará, como prometido pelo Twitter, mesmo que o conteúdo viole suas regras. "A liberdade de expressão é um princípio fundamental absoluto para o Facebook", afirmou o vice-presidente de assuntos globalizados e comunicações da rede social, Nick Clegg, ao comentar os preparativos da empresa para as eleições presidenciais dos Estados Unidos em novembro de 2020.

Ex-líder do partido Liberal Democrata no Reino Unido e ex-vice-primeiro-ministro do país, o executivo explicou que, embora o Facebook continue a reprimir contas falsas e a trabalhar para reduzir a disseminação de notícias falsas, o discurso e os debates políticos estarão isentos de verificação de fatos e serão permitidos na plataforma, mesmo que violem as regras do Facebook. Na prática, as postagens políticas e os próprios políticos estarão livres para espalhar informações erradas e discurso de ódio, destacou o Business Insider.

"Dar às pessoas uma voz para se expressar está no centro de tudo o que fazemos. Somos defensores da liberdade de expressão e a defendemos diante de tentativas de restringi-la. Censurar ou sufocar o discurso político estaria em desacordo com o sobre o que somos", defendeu Clegg. “Seria aceitável para a sociedade em geral que uma empresa privada se tornasse um árbitro autonomeado para tudo o que os políticos dizem? Eu não acredito que seria”, disse. O Facebook informou que rebaixará as postagens se os políticos compartilharem informações que passaram por verificação e foram assinaladas como falsas, mas reconheceu que não verificará ativamente o que os políticos postam.

O discurso de Clegg foi compartilhado em um post do blog do Facebook. “Nós temos uma responsabilidade de proteger a plataforma de interferências externas, e nos certificarmos de que quando as pessoas nos pagam para rodar publicidades políticas, nós façamos isso da forma mais transparente possível. Mas não é o nosso papel o de intervir quando políticos falam. É por isso que quero ser bastante claro aqui – nós não enviamos discursos de políticos para os nossos verificadores independentes de fatos, e geralmente os permitimos rodar em nossa plataforma, mesmo que eles estejam em discordância de nossas regras comuns de conteúdo”, enfatizou o executivo.

Alex Newhouse, pesquisador de extremismo do Instituto de Estudos Internacionais de Middlebury, escreveu no Twitter: "Dar aos políticos essencialmente liberdade para mentir, iluminar e espalhar o ódio na maior plataforma social do planeta não é apenas equivocado, é ativamente perigoso, violento e anti-sociedade”.

Há argumentos diferentes. Daniel Kreiss, professor associado de jornalismo e mídia da Universidade da Carolina do Norte, segundo o Business Insider, sustentou no  Twitter que uma empresa privada não deve tomar decisões sobre qual discurso político é aceitável ou não.  "[Este] é principalmente um problema político, não de mídia, na minha opinião, e o Facebook simplesmente não tem legitimidade para resolver isso".

Clegg disse que o Facebook intervirá em conteúdo que coloca “as pessoas em perigo” e que regulamenta o que é publicado em anúncios políticos. “Falando abertamente, essas exceções servem em dois exemplos: quando o discurso coloca pessoas em perigo; e quando nós recebemos dinheiro por ele, por isso é que temos regras mais exigentes na área de publicidade e anúncios do que na área de discurso e retórica comum”.

Em junho, o Twitter anunciou que identificará e minimizará postagens publicadas por fontes importantes, como políticos e funcionários do governo, que infringem suas regras. Se sinalizado, um aviso cobrirá o post ofensivo e exigirá que o usuário clique em um link para visualizá-lo.

Leia mais em:

https://www.businessinsider.com/facebook-wont-remove-politicians-posts-2019-9?nr_email_referer=1&utm_source=Sailthru&utm_medium=email&utm_content=Tech_select

https://br.reuters.com/article/internetNews/idBRKBN1WA1E0-OBRIN

https://www.theverge.com/2019/9/24/20882401/facebook-political-posts-fact-checking-nick-clegg-speech

https://techcrunch.com/2019/09/24/pawn-not-platform/