Estudo de Oxford: crescem a desinformação e a manipulação nas redes sociais; Facebook é o campeão das fake news Reprodução

Estudo de Oxford: crescem a desinformação e a manipulação nas redes sociais; Facebook é o campeão das fake news

O Facebook é a plataforma preferida para a manipulação nas redes sociais a partir da propagação de desinformação e propaganda política, prática que cresce por três anos consecutivos. Os dados são de novo estudo do Oxford Internet Institute, da Universidade Oxford. Os pesquisadores encontraram evidências de campanhas organizadas de manipulação de redes sociais em 70 países em 2019, frente a 48 em 2018 e 28 em 2017.

“A manipulação da opinião pública pelas redes sociais continua sendo uma ameaça decisiva para a democracia, à medida que a propaganda computacional se transforma em uma parte dominante da vida cotidiana”, disse Philip Howard, diretor do instituto, com sede no Reino Unido, segundo a AFP. “Embora a propaganda sempre tenha sido parte da política, o amplo alcance dessas campanhas gera preocupações cruciais para a democracia moderna”.

Os governos estão espalhando desinformação para desacreditar oponentes políticos, calar pontos de vista divergentes e interferirem assuntos externos, diz o relatório, informou o jornal O Globo. “Em cada país há, pelo menos, um partido político ou agência governamental que utiliza as redes sociais para moldar os comportamentos públicos internamente”, afirma o relatório. "A tecnologia das mídias sociais tende a fortalecer a propaganda e a desinformação de maneiras realmente novas" disse Samantha Bradshaw, do Instituto de Internet de Oxford e coautora do estudo.

O relatório, "The Global Disinformation Order 2019: Global Inventory of Organised Social Media Manipulation", descobriu que políticos e partidos políticos somaram seguidores falsos ou difundiram informações manipuladas em 45 democracias. Em 26 Estados autoritários, as entidades governamentais “utilizaram a propaganda computacional como ferramenta de controle da informação para suprimir a opinião pública e a liberdade de imprensa, desacreditar as críticas e as vozes opositoras, e minar a dissidência política”, escreveram os pesquisadores.

Segundo a pesquisa, conforme a AFP, “atores estatais sofisticados” de pelo menos sete países – a China, Índia, Irã, Paquistão, Rússia, Arábia Saudita e Venezuela – estão trabalhando fora de suas fronteiras em operações de influência estrangeira global, utilizando Facebook e Twitter.  A China se tornou “um ator importante na ordem mundial da desinformação” e foi além de suas plataformas nacionais como Weibo, WeChat e QQ para serviços como Facebook, Twitter e YouTube. 

Mentiras profissionalizadas no Brasil

O Brasil é um dos locais onde há campanhas de desinformação política e de mentiras profissionalizadas, segundo o estudo, que classifica o país em um nível de capacidade de manipulação “médio ”— o segundo mais alto. O relatório identificou no Brasil grupos profissionais de desinformação ligados a partidos políticos e empresas privadas que empregam táticas de apoio, ataques a opositores, distração de assuntos, fomento de divisões e supressão de pontos de vista divergentes.

O estudo não diz os nomes dos partidos e grupos responsáveis pela desinformação, mas indica a eleição de 2018 como uma “instância de partidos políticos propositalmente espalhando ou ampliando a desinformação nas redes sociais”, por meio do WhatsApp. Além do aplicativo de mensagens, as plataformas mais comuns para espalhar informações falsas no país são YouTube e Facebook, diz o estudo. O trabalho também aponta que robôs e humanos controlam contas falsas com objetivos políticos no Brasil.

O relatório destaca as dificuldades enfrentadas por Facebook, Twitter e YouTube no combate à desinformação e, principalmente, diante da ação de governos. As empresas anunciaram mudanças para reduzir a manipulação e interferência. Mas a pesquisa mostra que o uso das táticas, que incluem bots, contas falsas nas redes sociais e trolls contratados, está crescendo.

Leia mais em:

https://www.businessinsider.com/facebook-disinformation-campaigns-new-oxford-study-2019-9

https://oglobo.globo.com/mundo/campanhas-de-desinformacao-ao-redor-do-mundo-estao-aumentando-mostra-novo-estudo-23976059