Imprimir esta página
Regulação de empresas como Facebook tem de observar regras de interesse público, diz especialista

Regulação de empresas como Facebook tem de observar regras de interesse público, diz especialista

Em meio a mais uma semana conturbada envolvendo o Facebook, cresce nos Estados Unidos o debate que vai bem além de uma intervenção antitruste nos negócios das grandes empresas de tecnologia. “Mesmo que a fiscalização antitruste avance, como argumentou Gene Kimmelman, de Harvard, ‘regulamentos de bem-estar social também são necessários’”, diz Philip M. Napoli, professor de políticas públicas da Duke University e autor do livro Social Media and the Public Interest: Media Regulation in the Disinformation Age.

Existe, segundo Napoli, um modelo bem estabelecido. O mandato regulatório da Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, diz, não apenas garante a concorrência adequada no setor de mídia eletrônica, mas também que o interesse público mais amplo seja atendido. “No entanto (e isso é extremamente importante), a capacidade da FCC de regular em nome do interesse público está, de várias maneiras, restrita ao contexto restrito da transmissão”, continua Napoli.

A estrutura de interesse público dos Estados Unidos existente para regulamentação de mídia não se aplica a plataformas digitais, assinala Napoli, ao replicar a Primeira Emenda da Constituição norte-americana, que restringe a intervenção do governo no setor de mídia. “Como, então, poderíamos expandir o escopo do padrão de interesse público para que ele pudesse ser implementado onde parece agora mais necessário – na regulamentação de plataformas digitais?”, questiona. A solução, de acordo com ele, envolve empréstimos da regulamentação de transmissão.

Muitas plataformas digitais construíram seus negócios com base em recursos públicos, enfatiza Napoli. “Nesse caso, o recurso público não é espectro, mas sim os dados do usuário. Agregações massivas de dados do usuário fornecem o mecanismo econômico para o Facebook, Google e outros. Por várias razões, os dados do usuário podem – e devem – ser considerados como um recurso público ‘pertencente ao povo’”

Quando os dados agregados do usuário são considerados  um recurso público, abre-se o caminho para ir além da fiscalização antitruste e desenvolver uma estrutura reguladora na qual as plataformas digitais operam sob obrigações para servir o interesse público, sustenta Napoli.

Ameaça às crianças

As notícias sobre o Facebook ao longo desta semana reforçam a tese do professor de políticas públicas. Nesta sexta-feira (4), o procurador-geral dos Estados Unidos William Barr escreveu uma carta à rede social pedindo para a empresa não usar criptografia em mensagens, um recurso tecnológico que protege o conteúdo escrito.

Em janeiro deste ano, a empresa anunciou que pretende integrar seus serviços de mensagens WhatsApp e Messenger, além das plataformas Facebook e Instagram, com uma infraestrutura de criptografia de ponta-a-ponta. Barr pediu que a empresa adie esse plano até que autoridades determinem se a criptografia reduzirá a segurança pública.

A informação é do site BuzzFeed News. Oficiais do Reino Unido e da Austrália também assinaram a carta. As autoridades apontam que as mensagens criptografadas facilitam a disseminação de conteúdos relacionados à exploração sexual infantil e ao terrorismo, e dificultam o rastreamento pela polícia. 

Também hoje o diretor do FBI Christopher Wray disse a proposta da rede social de criptografar seu serviço de mensagens transformaria a plataforma em realidade o sonho de predadores e consumidores de pornografia infantil. Para ele, o plano do Facebook criaria “um espaço sem lei criado não pelo povo americano ou seus representantes, mas pelos proprietários de uma grande empresa.”

A empresa relatou que recebeu 16 milhões de informações sobre exploração infantil no ano passado, disse o vice-procurador-geral Jeffrey Rosen. Por outro lado, a Apple, que já usa criptografia de ponta a ponta em seu messenger, relatou 43 informações recebidas no ano passado.

“Devemos assumir que a Apple magicamente administrou plataformas livres de exploração infantil?”, questionou Rosen. “Ou será que as empresas com criptografia de ponta a ponta não conseguem ver atividades ilícitas prejudiciais que estavam ocorrendo nessas plataformas e optam por olhar para outro lado implantando a criptografia?”

Leia mais em:

https://www.theguardian.com/technology/2019/oct/03/facebook-faces-tougher-controls-after-eu-ruling?utm_term=RWRpdG9yaWFsX01lZGlhQnJpZWZpbmctMTkxMDA0&utm_source=esp&utm_medium=Email&utm_campaign=MediaBriefing&CMP=media_email

https://www.wired.com/story/what-would-facebook-regulation-look-like-start-with-the-fcc/

https://www.wired.com/story/what-would-facebook-regulation-look-like-start-with-the-fcc/

https://br.reuters.com/article/internetNews/idBRKBN1WJ24B-OBRIN

https://www.niemanlab.org/2019/10/facebook-is-opening-up-a-fact-checking-loophole-for-satire-creators-hope-all-their-motives-are-good/

https://www.niemanlab.org/2019/10/facebook-is-opening-up-a-fact-checking-loophole-for-satire-creators-hope-all-their-motives-are-good/

https://newsroom.fb.com/news/2019/09/elections-and-political-speech/

https://www.vox.com/recode/2019/9/26/20885783/facebook-twitter-youtube-policies-political-content

https://www.vox.com/recode/2019/10/1/20893133/mark-zuckerberg-elizabeth-warren-facebook-sue-us-government-tech-breakup

https://www.theverge.com/2019/10/1/20756701/mark-zuckerberg-facebook-leak-audio-ftc-antitrust-elizabeth-warren-tiktok-comments

https://www.vox.com/recode/2019/10/1/20894108/facebook-leak-intern-mark-zuckerberg

https://www.vox.com/recode/2019/10/3/20897378/facebook-mark-zuckerberg-bill-barr-encryption-whatsapp

https://www.totalmedios.com/nota/39829/facebook-pagara-a-los-medios-por-noticias-pero-no-a-todos

http://portalimprensa.com.br/noticias/ultimas_noticias/82686/cpi+das+fake+news+exige+do+facebook+dados+de+investigacoes

https://popular.info/p/facebook-says-trump-can-lie-in-his?utm_source=incthismorning

https://br.reuters.com/article/internetNews/idBRKBN1WG42F-OBRIN