Retóricas de Bolsonaro, Trump, Maduro e mais quatro presidentes insuflam violência à imprensa nas Américas, diz SIP Reprodução/SIP

Retóricas de Bolsonaro, Trump, Maduro e mais quatro presidentes insuflam violência à imprensa nas Américas, diz SIP

A estigmatização de organizações de notícias e jornalistas por parte de líderes políticos, muitos deles no poder, e difundida nas redes sociais chegou a níveis alarmantes no Brasil, Estados Unidos, El Salvador, Guatemala, México, Nicarágua e Venezuela, segundo a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP). 

Em resolução aprovada em sua 75ª Assembleia Geral, encerrada no último dia 7, a entidade pediu de forma enfática aos presidentes desses países para que suspendam a retórica agressiva à imprensa, que incentiva a violência de seus seguidores nas mídias interativas contra comunicadores e empresas de notícias.

De acordo com a entidade, a estigmatização é uma prática corriqueira dos presidentes Jair Bolsonaro, Nayib Bukele (El Salvador), Donald Trump (Estados Unidos), Jimmy Morales (Guatemala), Andrés Manuel López Obrador (México), Daniel Ortega (Nicarágua) e Nicolás Maduro (Venezuela). 

O documento enfatiza que, dentro do espírito da Declaração de Salta, esses governantes devem adotar políticas de alfabetização noticiosa e digital, para garantir que o debate público se desenvolva com respeito, tolerância e dentro dos princípios da livre expressão.

A SIP destaca que a desqualificação on-line – na prática, linchamento virtual – é apontada pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos como uma das principais ameaças à liberdade de imprensa da era digital.

Leia mais em:

https://www.sipiapa.org/notas/1213518-estigmatizacion-combustible-la-violencia-y-las-amenazas