Celso de Mello, do STF, recebe Prêmio ANJ de Liberdade de Imprensa, nos 40 anos da entidade jornalística

Celso de Mello, do STF, recebe Prêmio ANJ de Liberdade de Imprensa, nos 40 anos da entidade jornalística

O ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF), é o homenageado do Prêmio ANJ de Liberdade de Imprensa de 2019. A premiação deste ano tem um caráter especial, uma vez que a Associação Nacional de Jornais (ANJ) comemora 40 anos, completados em 17 de agosto.

Celso de Mello é reconhecido por inúmeras decisões favoráveis às liberdades de imprensa e de expressão desde que ingressou no STF (leia mais neste link), em 1989. O conjunto de suas sentenças é, no entendimento da ANJ, um marco dentro do Judiciário brasileiro em defesa de princípios democráticos que garantem a atuação do jornalismo independente no Brasil.

A cerimônia de entrega do Prêmio ANJ de Liberdade de Imprensa será realizada às 17h10 da próxima segunda-feira (11), no Grand Hyatt Rio de Janeiro, na capital fluminense, dentro da programação da Conferência Digital Media LATAM, da Associação Mundial de Editores de Notícias (WAN-IFRA, na sigla em inglês). Haverá ainda homenagem aos jornalistas Clóvis Rossi e Ricardo Boechat, mortos neste ano.

A moderação da cerimônia será feita pela jornalista Míriam Leitão, colunista do jornal O Globo e integrante da equipe da emissora a cabo GloboNews. Participam da abertura o presidente WAN-IFRA, Fernando de Yarza López-Madrazo, o presidente da ANJ, Marcelo Rech, e o vice-presidente da entidade, Francisco Mesquita Neto.

O Prêmio ANJ de Liberdade de Imprensa foi concebido pela associação para homenagear pessoas ou instituições que tenham se destacado na promoção ou na defesa da liberdade de imprensa, ou cuja atuação demonstre a importância fundamental da liberdade de imprensa para a sociedade e para as democracias.

ENTREGA DO PRÊMIO ANJ DE LIBERDADE DE IMPRENSA 2019  

Dia: 11 de novembro de 2019, segunda-feira.

Horário: 17h10 às 18h30, seguido de Coquetel de Boas-Vindas.

Local: Sala Grand Ballroom, Grand Hyatt Rio de Janeiro (Av. Lúcio Costa, 9600, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, Brasil)


Foram contemplados com o Prêmio ANJ de Liberdade de Imprensa:

18/08/2008 – Ministro Carlos Ayres Britto – Supremo Tribunal Federal

(Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, pelo encaminhamento favorável ao fim da Lei de Imprensa, na ação que tramitou no STF) 

18/08/2009 – Deputado Miro Teixeira

(Pela ação propondo ao STF o fim da Lei de Imprensa)

20/08/2010 – Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP)

(Pela defesa da liberdade de imprensa nas Américas)

27/05/2011 – Clarín (Buenos Aires – Argentina)

(Pela postura independente e combativa frente às ações contrárias à liberdade de imprensa em seu país)

20/08/2012 – ABRAJI – Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo

(Pela promoção do jornalismo profissional, independente e de qualidade no Brasil)

18/08/2014 – Catalina Botero – Relatora Especial para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA) – (Colômbia)

(Pela atuação firme em favor da liberdade de imprensa e por ter se tornado   alvo preferencial dos governos autoritários da América Latina)

16/10/2015 – Ministra Cármen Lúcia – Vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, relatora da ação que considerou inconstitucional a exigência de autorização dos interessados (biografados e seus legítimos representantes) para a publicação de biografias.

28/09/2016 – Gazeta do Povo (Curitiba/PR) e equipe de cinco profissionais do jornal pela série de reportagens sobre a remuneração de integrantes do Poder Judiciário do Ministério Público do Paraná. Os jornalistas Chico Marés, Euclides Lucas Garcia e Rogerio Waldrigues Galindo, o analista de sistemas Evandro Balmant e o infografista Guilherme Storck respondem a mais de 40 processos.

22/11/2017 – Jornalista Míriam Leitão

(Pelo simbolismo e repercussão do episódio em que ela foi alvo de intolerância de militantes partidários, com o objetivo de demonstrar o apoio da ANJ ao exercício da atividade jornalística face à intolerância política).

30/08/2018 – WAN-IFRA (Associação Mundial de Editores de Notícias) (Pela defesa e promoção da liberdade de imprensa em todo o mundo ao longo dos seus 70 anos de existência)