Para enfrentar o duopólio digital, publishers incrementam investimentos em alianças

Para enfrentar o duopólio digital, publishers incrementam investimentos em alianças

A competição desigual com o duopólio Facebook-Google tem motivado um número maior de alianças entre jornais com o objetivo de atrair mais receitas com publicidade, apesar da frustração de tentativas anteriores. A mais recente delas foi formada na semana passada e envolve os tradicionais competidores britânicos The Guardian, News UK e The Telegraph. Os três parceiros lançaram o The Verified Marketplace para compra coletiva do inventário de vídeos (desktop e móvel) do The Guardian, The Telegraph, The Times, The Sunday Times e The Sun, garantindo conteúdo e ambientes de qualidade para anunciantes para uma audiência estimada em mais de 39,4 milhões de milhões de usuários únicos.

Os publishers reconhecem que, mesmo com alianças, a competição com Google e Facebook em busca de publicidade digital é um desafio gigantesco, mas afirmam estar dispostos a encontrar novas maneiras de colaborar, sem que isso atrapalhe a natural concorrência entre os jornais. "Permanecer quieto e não fazer nada não é uma opção", disse Hamish Nicklin, diretor de receitas do The Guardian. "O maior desafio é o fato de sermos competidores, e queremos permanecer ferozmente competitivos uns com os outros, de forma editorial e comercial", admitiu. "Então, estamos descobrindo uma maneira de fazer isso, mas de uma forma que todos possamos ganhar”, completou.

Até agora, as agências parecem dispostas a apoiar a aliança. "O GroupM continuará a pressionar por maiores níveis de colaboração dos editores, a fim de garantir mídia de qualidade a nossos clientes com a capacidade de transação em escala", disse Robin O'Neill, diretor-gerente de comércio digital do GroupM. No entanto, alguns analistas acreditam que os interesses das agências podem ser uma barreira ao sucesso das alianças entre publishers. "As agências de mídia são realmente uma ameaça para as alianças", disse Tim Hussain, diretor de digital da consultora independente Ebiquity. "Elas [agências] querem ser as agregadores de mídia. Quanto mais os editores trabalham juntos, menos influência eles têm.”

Mas as alianças continuam a proliferar. No começo deste mês, a CNN Internacional anunciou ter assumido a liderança de uma parceria já existente e transcontinental, a Pangaea Alliance, que entrou em nova etapa. Até o momento, essa união resultou em campanhas para mais de 30 mil anunciantes em nível mundial, com taxas de visibilidade superiores a 65% e uma audiência combinada de 200 milhões de usuários únicos, por meio de marcas de credibilidade jornalística como CNN, The Guardian e Reuters.

Além disso, o canal 4 tornou-se recentemente a primeira emissora a entrar em uma aliança pan-europeia com grupos alemães, italianos e franceses. As emissoras europeias, como o ProSiebenSat.1 e o RTL Group, também pertencem a alianças, bem como os publishers Axel Springer, Le Monde e Le Figaro.

https://digiday.com/media/duopolys-power-driving-publishers-try-alliances/

http://www.totalmedios.com/nota/33452/cnn-international-presento-novedades-en-el-area-comercial