SIP diz que repressão à imprensa aumentou no Equador, onde governista ganhou recente eleição presidencial

A Sociedade Interamericana de Imprensa SIP condenou o aumento no grau de perseguição das autoridades do Equador à imprensa nos últimos meses, que tornou mais arriscado realizar jornalismo de investigação e praticamente liquidou a atuação jornalística independente no país.

Durante a mais recente reunião de meio ano da instituição (de 31/03 a 03/04), a SIP informou que o presidente Rafael Correa continuou a fazer uso do programa semanal de televisão, Enlace Ciudadano, para atacar os meios de comunicação, jornalistas, políticos e opositores, inclusive dias antes da recente eleição no país, vencida pelo candidato governista Lenín Moreno.

Em seu relatório, a SIP indicou que as instituições criadas por meio da Lei de Comunicação – a Superintendência de Comunicação (Supercom) e o Conselho de Comunicação (Cordicom) – “aplicaram [nos últimos meses] 31 sanções econômicas, 16 retificações, 23 réplicas obrigatórias, sete desculpas públicas, 11 advertências escritas e 8 chamados de atenção”. Os segmentos mais afetados com essas 79 medidas disciplinares foram, pela ordem, rádio (34), imprensa (26), televisão (12) e jornalistas (7)”.

No caso do jornalismo investigativo, a SIP assinalou que os riscos se elevaram a partir das revelações do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na silga em inglês) sobre os chamados Panama Papers. No Equador, esse trabalho internacional, resultou em 24 investigações judiciais por supostas corrupção em contratos petroleiros. Um dos processados, é o ex-ministro de Hidrocarburos e ex-gerente do Petroecuador, Carlos Pareja Yannuzzelli.

Em fevereiro, reportagem de Sylvia Colombo, do jornal Folha de S.Paulo, havia exposto a triste eficiência de toda essa repressão. Poucos dias antes pleito, relatou a jornalista, manchetes dos noticiários (TV e jornal) se limitavam a contar quantas inaugurações Correa havia realizado recentemente, ou qual era a multa para quem não fosse votar.

Leia mais em:

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2017/02/1858890-equador-chega-as-urnas-com-imprensa-limitada-por-rafael-correa.shtml

http://www.sipiapa.org/notas/1211382-ecuador-se-intensifica-la-persecucion-la-prensa