Experiência da Rede Gazeta (ES) durante greve da PM revela a força da informação de credibilidade

Dados que mostram a maior procura por informação confiável e de qualidade, inclusive paga, são indicadores de que o jornalismo profissional ganhou relevância na luta contra as notícias falsas. Mas é no cotidiano das redações que essa tendência se mostra tangível. Nesse sentido, uma das experiências mais marcantes neste ano no Brasil foi a da Rede Gazeta, do Espírito Santo. “A greve da Polícia Militar elevou as audiências dos veículos da Rede Gazeta TV. Gazeta Online, CBN, jornais, todas as audiências aumentaram muito, especialmente a do Gazeta Online, porque, no meio da boataria e ruído próprios das redes sociais, as pessoas buscavam o jornalismo profissional como uma referência de informação confiável”, conta o editor-chefe da redação integrada dos jornais A GAZETA e Notícia Agora, do portal Gazeta Online e da rádio CBN Vitória, André Hees, em entrevista ao Jornal ANJ online.

Durante a crise na segurança pública enfrentada pelo Espírito Santo, de 4 a 25 de fevereiro, os boatos foram constantes, inclusive creditando a informação falsa a veículos de comunicação. “Exemplo foi um boato atribuído à CBN dizendo que os frentistas dos postos de gasolina iriam paralisar as atividades por medo da violência. Motoristas chegaram a formar filas nos postos para abastecer. Tanto na CBN quanto no Gazeta Online fizemos matéria destacando que era boato”, lembra Hees.

Por isso, na Rede Gazeta, a rotina dos profissionais está voltada para a necessidade de combater constantemente a falsa informação. A própria integração das redação dos diferentes veículos facilita, diz Hees, a permanente ação com o objetivo de combater notícias falsas e levar a verdade aos leitores a partir de cuidadosa checagem jornalística. O jornalista conta que os veículos do grupo estudam a criação de uma área específica de checagem e, enquanto isso, a prática já está inserida na rotina da redação. “Em coberturas especiais, como na greve da PM, usamos “chapéus” nas matérias para dizer o que era boato ou mentira”, exemplifica.

Além disso, para identificar farsas, o grupo mantém profissionais dedicados exclusivamente à atuação nas redes sociais, postando conteúdo, interagindo com o leitor, captando pautas e tendências. “Esses profissionais identificam informações falsas e alertam a redação quando é o caso de um fact-checking”, diz o editor-chefe da redação integrada da Rede Gazeta. Hees afirma que, por enquanto, ainda é difícil mensurar com precisão os resultados desse tipo de iniciativa, mas é possível detecta que trabalho feito até aqui tem funcionado como antídoto. “Não sei exatamente como medir, mas o que fazemos é distribuir esse conteúdo pelas redes e estimular o compartilhamento, para desfazer os boatos, que morrem com maior rapidez.”

Hees diz acreditar que a constante interação com os leitores ajuda nessa frente, além de garantir maior engajamento, fidelidade e, à frente, mais audiência. “Trabalhamos com vídeos, newsletters e envio de mensagens pelo WhatsApp para leitores cadastrados, além das postagens nas redes, especialmente Facebook. No momento, temos somente uma newsletter por dia. Penso que temos que enriquecer esse conteúdo e produzir outra, para o fim do dia”, comenta.

Alfabetização midiática

A pedido do Jornal ANJ online, Hees comentou sobre o desafio imposto pelas notícias falsas ao jornalismo em geral. “Penso que nós, jornalistas, temos que vender melhor esse peixe, mostrar melhor nosso trabalho, explicar como é feita uma apuração, contar para o leitor como foi o processo de apuração de determinada denúncia”, destacou. “Acho que estamos falhando na parte que nos cabe nessa ‘alfabetização midiática’. Vejo que alguns jornais já fazem isso, mas de forma pontual. Acho que temos que ‘conversar’ mais com o leitor sobre o processo de produção jornalística, para ele saber que uma reportagem às vezes é resultado de meses de trabalho, de dezenas de entrevistas e cruzamento de dados. Esse tipo de apuração só a imprensa profissional faz”, enfatizou o jornalista.