Com base no paywall, negócio digital do The New York Times mais que dobrou em seis anos

São poucos os que ainda alimentam desconfiança em relação à possibilidade de sucesso na pesada – e pioneira – aposta feita pelo jornal The New York Times, desde 2012, em assinaturas digitais, no modelo de paywall. Nos últimos seis anos, a receita digital do diário norte-americano (incluindo assinantes e anúncios) mais que dobrou, chegando a US$ 442 milhões, segundo informou o site especializado Recode. A maior parte desses ganhos vem das assinaturas digitais. De 2011 a 2016, o percentual do valor arrecadado pelo jornal com assinantes online (atualmente em US$ 233 milhões) saltou 418%. Os resultados sustentam o otimismo de Mark Thompson, CEO da The New York Times Company, para quem o jornal avança na consolidação de um perfil de fornecedor de conteúdo pago digital, com ênfase no mobile, para audiências de todo o mundo.

Ao mesmo tempo, a transição do The New York Times do papel para o digital tem se mostrado equilibrada. Também entre 2011 e 2016, a receita das assinaturas impressas recuou, como era esperado, mas de forma suave, 2%. Esses ingressos representam hoje US$ 648 milhões, relatou o Recode. A receita total da edição impressa caiu 18%, para pouco mais de US$ 1 bilhão, no mesmo período.

Leia mais em:

https://www.recode.net/2017/5/8/15578906/new-york-times-digital-business-doubled-subscription-advertising-revenue