CIDH adota medidas de proteção à viúva de jornalista e comunicadores ameaçados na Nicarágua Reprodução

CIDH adota medidas de proteção à viúva de jornalista e comunicadores ameaçados na Nicarágua

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) adotou medidas cautelares para a viúva do jornalista Ángel Gahona, assassinado em 21 de abril enquanto cobria protestos na Nicarágua, e para integrantes de uma emissora de rádio que foi incendiada em meio à violência que tomou conta do país, em grave crise política e repressão às liberdades de expressão, nos últimos meses.

Há informações segundo as quais a viúva de Gahona, Migueliuth Sandova Cruz, segundo informou o Centro Knight, tem sido alvo de diferentes formas de intimidação, incluindo a presença de 20 pessoas em sua residência, que pilotavam motocicletas e supostamente atiraram no ar para que a família do profissional “ficasse quieta”. A informação consta em um comunicado da CIDH. Na mesma nota, a comissão diz que, no caso dos profissionais da Rádio Darío, as ameaças e intimidações tem “o objetivo de causar medo e impedir a disseminação de informação e reclamações por meio da rádio".  

As decisões foram tomadas em meio a manifestações contra o governo do presidente Daniel Ortega, nas quais são registrados frequentes ataques a jornalistas e trabalhadores da imprensa pelo país. A CIDH solicitou que a Nicarágua "assegure que seus agentes respeitem a vida e integridade pessoal dos beneficiários das medidas cautelares, de acordo com os padrões estabelecidos pela legislação internacional de direitos humanos, e que proteja seus direitos em relação a atos de risco atribuídos a terceiros". A comissão  também solicitou ao governo que informe sobre o andamento das investigações dos supostos fatos que levaram à adoção das medidas cautelares.

No último dia 28 de junho, um grupo de jornalistas independentes da Nicarágua rejeitou as agressões recentes contra jornalistas e exigiu que o Estado institua uma política de tolerância zero diante dessas agressões. Eles apontaram diversos ataques contra jornalistas, incluindo o assassinato de Gahona e o incêndio na Rádio Darío, bem como ameaças contínuas de morte recebidas pelo proprietário do veículo, Aníbal Toruño, sua família e colegas de trabalho.

A adoção das medidas cautelares é feita pelo Mecanismo Especial de Acompanhamento da Nicarágua (MESENI, na sigla em espanhol) "para proteger as pessoas em perigo grave e urgente de danos irreparáveis no contexto da grave crise de direitos humanos no país".

Leia mais:

https://knightcenter.utexas.edu/pt-br/blog/00-19927-cidh-adota-medidas-cautelares-para-viuva-de-jornalista-e-outros-trabalhadores-da-impre