Helio Gama Neto

Uma sociedade melhor começa com transparência e uma boa dose de coragem. Esse é o conceito da campanha que celebra os 30 meses do Grupo de Investigação (GDI) da RBS, lançada nessa quinta-feira (18). Há dois anos e meio, o GDI produz pautas que contribuem para a transformação da sociedade, esclarecendo assuntos e proporcionando informações até então desconhecidas entre as pessoas. Para valorizar a atuação do GDI, a RBS promoveu ações que enaltecem o trabalho jornalístico exercido pela equipe do grupo durante esse período.

Durante o 14º Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), que ocorreu de 27 a 29 de junho, em São Paulo (SP), a editora-chefe da Gaúcha, Andressa Xavier, e a diretora de Jornalismo de Rádio e Jornais do Gupo RBS, Marta Gleich, estiveram presentes e falaram sobre a força do rádio como meio de notícias e o impacto das métricas no jornalismo, respectivamente. Durante o Congresso, mil exemplares de um caderno sobre o GDI foram distribuídos entre os participantes, com o objetivo de apresentar as rotinas de trabalho do grupo e as principais reportagens produzidas pela equipe.

Na última quarta-feira (17), um almoço interno reuniu os integrantes do GDI e lideranças da RBS, com o propósito de contemplar as ações do grupo nesses 30 meses. O último evento em celebração ao aniversário aconteceu nessa quinta-feira (18), em um seminário realizado na RBS TV. Com apresentação do jornalista Elói Zorzetto, o evento abordou os principais resultados da atuação do GDI. A coordenadora do grupo, Dione Kuhn, relembrou as principais reportagens produzidas e ressaltou a importância do trabalho jornalístico para uma sociedade mais transparente. O seminário também contou com a presença de autoridades e representantes de entidades, que também falaram sobre a importância da colaboração desse trabalho para o desenvolvimento de pautas relevantes na sociedade.

– Em 30 meses, o GDI se tornou uma marca respeitada e consolidada pela empatia com o público. As pessoas criaram um vínculo conosco, o que é muito gratificante. Durante esse período, aprendemos a melhorar processos e a trabalhar com todos os veículos da RBS de forma integrada. A partir de agora, o desafio é fazer cada vez mais investigações que ajudem a melhorar a vida do cidadão e, mais do que isso, apresentar para ele caminhos e exemplos que deram certo – ressalta Dione.

Ao todo, o GDI abriu 76 novas frentes de investigação, que se desdobraram em matérias de alto impacto econômico, político e social, repercutindo diretamente na vida dos gaúchos. Os profissionais do GDI já conquistaram cerca de 400 prêmios internacionais, nacionais e estaduais em reconhecimento às reportagens produzidas. Os jornalistas que compõem o time são a editora Dione Kuhn e os repórteres Adriana Irion, Carlos Rollsing, Cid Martins, Eduardo Matos, Fábio Almeida, Giovani Grizotti, Humberto Trezzi, Jeniffer Gularte, Jocimar Farina, Jonas Campos e José Luís Costa.

INMA - 18/07/2019

Dawn McMullan

Recent and dramatic changes in the Australian media landscape have left Chris Janz optimistic.  
Janz, the managing director of publishing at Nine, witnessed the late-2018 acquisition of the country’s second-largest newspaper publisher, 187-year-old Fairfax Media. When Nine Entertainment Co. (the country’s second-biggest free-to-air TV network) acquired Fairfax, the move effectively positioned both entities for continued profitability by pooling assets, reducing costs, and streamlining management.

EDITOR&PUBLISHER - 19/07/2019

Rob Tornoe  

“A new study…”
There are many problems in the world of journalism worth attacking—fake news, a lack of minority representation, how to adequately fund robust digital reporting. But a festering problem that exists in newsrooms across the country is our continued willingness to promote and share less-than-scientific surveys for the sake of social media success. 

NIEMAN LAB - 19/07/2019

LAURA HAZARD OWEN

Plus: How college students evaluate fake vs. real news, and an algorithm that doesn’t just identify fake news but explains why.

O ESTADO DE S.PAULO - 19/07/2019

O aplicativo russo FaceApp, que permite aos usuários mudar sua aparência para mais jovem ou mais velho, voltou a ser motivo de polêmica. Nos Estados Unidos, um senador democrata pediu ao FBI e à Comissão Federal do Comércio (FTC, na sigla em inglês), para que iniciassem uma investigação sobre o app.

Página 1 de 582