Cresce em Washington a preocupação com o poder e o descontrole do duopólio digital

Cresce em Washington a preocupação com o poder e o descontrole do duopólio digital

O Facebook encerrou o terceiro trimestre de 2017 com uma receita até então inédita de US$ 10,3 bilhões, enquanto a Alfabeth, que controla o Google, registrou uma receita de US$ 28 bilhões. Do ponto de vista político, esse gigantismo é, neste momento, como gasolina ateada em fogo. Cresce em Washington a fileira daqueles que entendem que as empresas do Vale do Silício tornaram-se muito dominantes, demasiado invasivas e fora de controle, relata o jornal The Washington Post.

"Há uma coalizão iminente entre conservadores, críticos das companhias liberais da Costa Oeste, e progressistas que se preocupam com qualquer tipo de assunto", disse ao jornal norte-americano Darrell West, diretor do Brookings Center for Technology Innovation. A união entre a esquerda e a direita contra o duopólio formado por Google e Facebook seria uma mudança “sísmica” na política norte-americana, avaliou o especialista.

A possível aliança de amplo leque político em reação a Google e Facebook, afirma o The Washington Post, sustenta-se, por exemplo, nas afirmações e movimentos dos senadores democratas e republicanos do comitê do Senado norte-americano que investiga a interferência da Rússia nas eleições de 2016 via duopólio digital e outras empresas de tecnologia, como o Twitter.

"A perspectiva das empresas do Vale do Silício censurando o discurso ou conteúdo noticioso é alarmante para quem se preocupa com um processo democrático com uma sólida Primeira Emenda", afirmou o republicano Ted Cruz. Ao mesmo tempo, parlamentares como os democratas Amy Klobuchar e Mark R. Warner e o republicano John McCain puxam uma frente na defesa de legislação que exija maior transparência na publicidade política na internet.

Mesmo que as empresas de tecnologia continuem a reportar resultados recordes, há uma clara mudança nos ventos, diz o The Washington Post, e a pressão política está forçando essas companhias a aceitar consequências que elas desejavam evitar.

Leia mais em:

https://www.washingtonpost.com/news/the-switch/wp/2017/11/01/facebook-and-googles-enormous-profits-may-buoy-wall-street-but-its-a-different-story-in-washington/?utm_campaign=Newsletters&utm_medium=email&utm_source=sendgrid&utm_term=.44f2b7a050be