Quem prioriza as redes sociais está mais desinformado sobre a COVID-19 do que o público que segue a imprensa

Quem prioriza as redes sociais está mais desinformado sobre a COVID-19 do que o público que segue a imprensa

Os norte-americanos que preferem acompanhar as informações políticas nas redes sociais e não pelas publicações das organizações de notícias – 18% da população adulta dos Estados Unidos – estão mais desinformados sobre a pandemia do novo coronavírus, mostra estudo do Pew Research Center. A pesquisa indica também que esse público está mais exposto à desinformação espalhada nas mídias interativas.

Mais da metade (57%) daqueles que priorizam as mídias sociais quando buscam notícias dizem ter encontrado alguns ou muitos conteúdos sobre a COVID-19 carregados de desinformação. Em contrapartida, entre aqueles que preferem os jornais, 37% dizem ter recebido notícias falsas via redes sociais.

A pesquisa também perguntou se os entrevistados sabem qual é previsão dos especialistas sobre quando uma vacina para COVID-19 pode estar disponível. Cerca de quatro em cada dez (37%) dos consumidores de notícias de mídia social selecionaram a resposta que está de acordo com as declarações das fontes mais confiáveis de saúde pública: um ano ou mais para ficar disponível. O único grupo com uma porcentagem igualmente baixa na resposta correta é o público que prefere se informar via TV local, com 32%. Pelo menos metade de todos os outros grupos disseram que levaria um ano ou mais.

Leia mais em:

https://www.journalism.org/2020/03/25/americans-who-primarily-get-news-through-social-media-are-least-likely-to-follow-covid-19-coverage-most-likely-to-report-seeing-made-up-news/