Sem jornalismo, os debates são gritos de luta, alerta presidente do Fórum Mundial de Editores Reprodução

Sem jornalismo, os debates são gritos de luta, alerta presidente do Fórum Mundial de Editores

O mundo está conectado e mais pessoas têm informações disponíveis na ponta dos dedos, mas nem por isso as sociedades estão bem informadas. Nesse cenário, no qual a credibilidade e a confiança nas principais instituições parecem destruídas em meio à desinformação que minam os debates plurais e democráticos, as notícias produzidas pelo jornalismo profissional são decisivas, diz Warren Fernandez, presidente do Fórum Mundial de Editores, entidade ligada à Associação Mundial de Jornais (WAN-IFRA), ao comentar o Dia Mundial da Notícia, comemorado no último sábado (28/09).

“Na ausência de informações confiáveis e confiáveis, não podemos ter debates racionais e razoáveis”, escreveu o jornalista em artigo publicado no site da WAN-IFRA. “Em vez disso, as discussões se transformam em gritos de luta, que tendem a ser dominados e vencidos por aqueles com as vozes mais altas, mais desagradáveis ou persistentes ou, com frequência, as melhores financiadas”.

Em contraponto, a garantia de informações confiáveis, ressaltou Fernandez, editor-chefe do The Straits Times, de Cingapura, é oferecida pelo jornalismo profissional. “Nosso trabalho é buscar informações, checá-las e verificá-las, entender a história, os antecedentes e o contexto, esforçar-nos para ser equilibrados e objetivos, analisar e interpretar os desenvolvimentos e procurar apresentar uma descrição mais justa possível dos eventos, para ajudar nosso público a decidir o que tudo isso significa para eles”, afirmou.

No artigo e também em entrevista ao jornal Zero Hora, do Rio Grande do Sul, Fernandez destacou que a cobertura das notícias custa caro, pois precisa de jornalistas qualificados. “E, nos negócios locais, não há audiência suficiente para pagar por essa cobertura noticiosa. É um reflexo da mudança nos modelos de negócios que as redações enfrentam. Sem recursos, as redações não podem fazer o trabalho que precisam em prol do interesse de suas sociedades”, afirmou o jornalista ao diário gaúcho. 

O Dia Mundial da Notícia contou com a mobilização de 35 jornais de cinco continentes – entre eles, Zero Hora – que se uniram em campanha internacional para refletir sobre o papel do jornalismo profissional e o impacto positivo dos diários em suas comunidades. O projeto, segundo o diário gaúcho, inclui a publicação pelos jornais participantes de reportagens (reunidas aqui) que tiveram alto impacto social a fim de provocar reflexões sobre a importância do processo jornalístico, que envolve apuração rigorosa e descrição objetiva dos fatos, em uma era de propagação de fake news e campanhas de desinformação. 

Leia mais em:

https://gauchazh.clicrbs.com.br/mundo/noticia/2019/09/uma-imprensa-robusta-e-fundamental-para-a-democracia-diz-presidente-do-forum-mundial-de-editores-ck12tylwq013501r2z8i2azof.html

https://gauchazh.clicrbs.com.br/mundo/noticia/2019/09/campanha-do-forum-mundial-de-editores-mostra-o-impacto-social-do-jornalismo-profissional-ck12tiui7013101r219zbgh5y.html

https://blog.wan-ifra.org/2019/09/26/why-the-news-matters-to-you-and-me