Reprodução Reprodução

Pesquisa: redes sociais pioram a qualidade do noticiário, mas são as principais fontes para um número maior de norte-americanos

A maioria dos norte-americanos está mais pessimista com as medidas anunciadas por redes sociais para melhorar a qualidade dos conteúdos em suas plataformas. Também é crescente a preocupação com o excesso de controle das mídias interativas sobre as notícias, o que tem resultado em uma mistura noticiosa de baixa qualidade, no entendimento dos usuários. Ao mesmo tempo, as mídias sociais fazem parte da dieta de notícias de uma parcela cada vez maior da população dos Estados Unidos. Essas são as principais tendências observadas por nova pesquisa do Pew Research Center divulgada nesta quarta-feira (2).

Quase nove em cada dez (88%) norte-americanos, mostra a pesquisa, reconhecem que as redes sociais têm pelo menos algum controle sobre o cardápio de notícias que as pessoas veem. A maioria dos entrevistados, segundo o estudo, acha que isso é um problema: cerca de seis em cada dez (62%) dizem que as mídias interativas têm controle excessivo sobre as notícias que consomem. A maioria (55%) afirma que o papel que as empresas de mídia social desempenham no fornecimento de notícias em suas plataformas resulta em uma mistura pior de notícias.

Cerca de 80% dos entrevistados acreditam que as redes sociais tratam algumas mídias de maneira diferente das outras. Entre eles, a grande maioria afirma que as redes dão maior visibilidade às mídias que produzem artigos que “chamam a atenção”, aos que possuem um número alto de seguidores, ou aos que têm uma posição política determinada. Aproximadamente metade dos críticos das redes sociais disse que as plataformas mostram notícias incorretas, ou parciais, com frequência, enquanto 35% afirmaram que a censura é um grande problema.

Os republicanos responderam ter mais desconfiança das redes sociais do que os democratas. Três em cada quatro republicanos, ou independentes pró-republicanos, disseram que essas plataformas têm muito controle sobre as notícias que recebem, contra 53% dos democratas, ou independentes pró-democratas. A sondagem destaca preocupações sobre como as redes sociais moldam as informações e reclamações de alguns, incluindo o presidente Donald Trump, de que as plataformas não são imparciais.

De acordo com a pesquisa, 55% disseram que verificam as notícias nas redes sociais com frequência, ou às vezes, em comparação com 47% em 2018. O Facebook é a fonte dominante de notícias nas redes sociais, com 52%, seguido pelo YouTube (28%), Twitter (17%), Instagram (14%) e outros serviços. A pesquisa do Pew Institute foi feita entre 8 e 21 de julho, com 5.107 entrevistados.

Leia mais em:

https://www.journalism.org/2019/10/02/americans-are-wary-of-the-role-social-media-sites-play-in-delivering-the-news/

https://www.adweek.com/digital/americans-know-social-networks-influence-the-news-they-see-and-they-arent-happy-about-it/

https://www.niemanlab.org/2019/10/more-americans-than-ever-are-getting-news-from-social-media-even-as-they-say-social-media-makes-news-worse/