É preciso difundir a verdade e destruir a mentira para evitar a escravidão, diz o escritor Javier Cercas Reprodução

É preciso difundir a verdade e destruir a mentira para evitar a escravidão, diz o escritor Javier Cercas

Jornalistas e organizações de notícias travam há alguns anos uma dura batalha contra a desinformação digital. Não tem sido uma tarefa fácil. A ameaça da farsa espalhada de forma deliberada sempre existiu, mas jamais teve tanta eficácia quanto agora por conta das novas tecnologias e do modelo de negócios de empresas como Google e Facebook, diz o escritor espanhol Javier Cercas. A luta não é apenas pela garantia de uma imprensa independente  e do direito ao livre acesso à informação e da expressão, mas da manutenção da pedra angular da democracia: a liberdade como um todo.  Por isso, não basta apenas buscar e difundir a verdade, mas também destruir a mentira. Trata-se de um papel de todos, mas em particular do jornalismo.

“Hoje não basta contar a verdade; é preciso destruir as mentiras, começando por essas grandes mentiras fabricadas a partir de pequenas verdades, que são as piores mentiras porque têm o sabor da verdade”, disse Cercas na semana passada, ao receber o prêmio Francisco Cerecedo de Jornalismo. Essa é, segundo ele, a principal tarefa dos jornalistas na atualidade. Esses profissionais, afirma o escritor, demonstram o que é valioso para todo jornalista autêntico (aqueles que têm amor pela verdade): “O combate pela verdade é um combate contra a escravidão”.

Em seu discurso, Cercas disse que a verdade, acompanhada do esforço para desacreditar a mentira, é mais revolucionária do que nunca. Enquanto a desinformação ganhou incrível capacidade de difusão, os jornalistas honestos têm ainda mais responsabilidades em sua tarefa de descobrir e relatar a verdade.  Ao contrário, o mau jornalismo ou a narrativa sem as técnicas e a ética jornalística, alerta Cercas, difundem mentiras e, com isso, se transformam em instrumentos da tirania daqueles que querem dominar o debate públicos e controlar as pessoas.

Leia mais em:

https://elpais.com/elpais/2019/11/29/opinion/1575033913_779852.html