Reprodução Reprodução

Cambridge Analytica: reportagem perfeita e escândalo global, mas poder do Facebook segue inabalável

Ebbw Vale é uma pequena cidade do Reino Unido, com um pouco mais de 30 mil habitantes. Mesmo assim, recebeu inúmeras obras de interesse público financiadas por recursos da União Europeia (UE) que mudaram o município, antes dependente de uma decadente economia com base na extração de carvão. Entre os benefícios estão uma universidade, obras de revitalização de equipamentos de uso público e importantes melhorias viárias. Tudo isso amplamente informado aos moradores. Mesmo assim, quando a jornalista Carole Cadwalladr chegou à cidade um dia após a vitória do Brexit no referendo de 2016, as pessoas com quem ela conversou eram categóricas: a UE nada havia feito pela localidade. Em Ebbw Vale, 62% dos eleitores votaram pela saída do Reino Unido do bloco europeu.

A jornalista do The Observer – edição dominical do The Guardian – percebeu nas várias entrevistas que fez com a população de Ebbw Vale que ali estava a ponta do iceberg de uma grande reportagem sobre a influência do Facebook no Brexit, além de outros momentos críticos mais recentes, como a eleição presidencial dos Estados Unidos em 2016. Ao invés de ouvir elogios, ou no mínimo o conhecimento sobre as melhorias na cidade proporcionadas pela UE, a jornalista colecionou uma série de queixas sobre problemas relatados no Facebook que, na realidade, não afetavam Ebbw Vale. Entre eles, supostos atos terroristas de imigrantes, enquanto a localidade exibe uma das menores taxas de imigração em todo território britânico.

Da reportagem tão simples quanto aprofundada, Carole abriu caminho para uma gigantesca e complexa investigação por quase dois anos, com as mesmas técnicas com as quais ele conduziu as entrevistas na pequena Ebbw Vale. Seu trabalho desvendou o escândalo da empresa Cambridge Analytica, a consultoria que desempenhou um papel central no escândalo do vazamento maciço e uso não autorizado de dados pessoais do Facebook. As informações foram utilizadas para direcionar anúncios – e muita desinformação – na tentativa de influenciar a votação do referendo em favor da saída da Inglaterra da União Europeia. A investigação da jornalista mostrou ainda as relações Cambridge Analytica com a campanha de Donald Trump, nos Estados Unidos.

Dois anos depois, o Facebook ainda está lidando com as consequências do escândalo da Cambridge Analytica, que foi a primeira peça a cair em um efeito dominó que parece não ter fim. Mesmo assim, a maior rede social do mundo segue concentrando enorme poder, ao lado de Google, Apple e Amazon. “Jornalistas descobriram que houve muitos outros delitos no Brexit dentro do Facebook e longe do que é previsto pelo nosso sistema legal. O mesmo ocorre com o Google”, diz Carole, que até hoje sofre ameaças por conta de sua investigação. “Não podemos mais permitir que essas empresas tenham este poder sem controle”, defende a jornalista.

Leia mais em:

https://www.ted.com/talks/carole_cadwalladr_facebook_s_role_in_brexit_and_the_threat_to_democracy?language=es#t-883325

https://www.vox.com/recode/2019/7/8/20685566/carole-cadwalladr-guardian-observer-cambridge-analytica-kara-swisher-podcast-interview-recode-decode

https://www.cjr.org/special_report/guardian-carole-cadwalladr.php?ct=t(Top_Stories_CJR_new_Jan_26_1_25_2017_COPY_01) 

https://www.ted.com/talks/carole_cadwalladr_facebook_s_role_in_brexit_and_the_threat_to_democracy?language=es#t-233292

https://www.ted.com/talks/carole_cadwalladr_facebook_s_role_in_brexit_and_the_threat_to_democracy?language=es#t-233292