Solução robótica do YouTube para combater teorias conspiratórias gera desinformação na cobertura do incêndio de Notre-Dame Reprodução/Nieman Lab

Solução robótica do YouTube para combater teorias conspiratórias gera desinformação na cobertura do incêndio de Notre-Dame

Os algoritmos de recomendação da rede social de vídeos do Google, o YouTube, são criticados há anos por manter uma lógica de indicação de conteúdo de qualidade duvidosa, repletos de desinformação, ódio, teorias de conspiração e outras aberrações. O objetivo é elevar a audiência e prender as pessoas por mais tempo na plataforma, o que garante lucro ao Google. A empresa prometeu várias vezes solucionar o problema, mas ele permanece. Nesta semana, também ficou evidente que tentativas de minimizar o erro por meio de sistemas automatizados são tão simplistas quanto ineficazes. Pior: podem gerar mais desinformação. Trata-se, escreveu o jornalista Joshua Benton no site do The Nieman Journalism Lab, da Universidade Harvard, de um lembrete de que mesmo os esforços para limitar as desinformações podem acabar as espalhando ainda mais. “E que editores humanos cuidando dos algoritmos podem ser uma coisa muito boa também”, alertou o jornalista.

Benton compartilhou uma quase inacreditável desinformação impulsionada pelo YouTube enquanto a Catedral de Notre-Dame, em Paris, pegava fogo em uma tragédia que chocou o mundo. Milhares de pessoas procuraram acompanhar o desenrolar dos fatos via diferentes meios de comunicação, e muitos dos que assistiam as transmissões ao vivo no YouTube receberam inusitadas informações de outra tragédia, ocorrida há bem mais tempo, a dos ataques às torres gêmeas em Nova York (EUA), em 11 de setembro de 2001.

O esdrúxulo equívoco decorre de um mecanismo que a rede social começou a usar no ano passado, alegando ser uma forma de combater os vídeos de teorias conspiratórias. O YouTube decidiu inserir links para artigos da Wikipédia sobre os temas citados nas mirabolantes ideias de grupos como os terraplanistas. Depois, esses links também passaram a remeter os usuários a informações da Encyclopedia Britannica. Na segunda-feira (15), as imagens compartilhadas por Benton eram associadas ao atentado em Nova York, induzindo as pessoas a supor que Notre-Dame poderia ter sido alvo de um ataque terrorista, assim como ocorreu nos Estados Unidos anos atrás.

Benton pediu explicações ao Google, que resolveu o problema menos de uma hora depois. “Estamos profundamente entristecidos com o incêndio em curso na catedral de Notre-Dame. No ano passado, lançamos painéis informativos com links para fontes de terceiros como a Encyclopedia Britannica e a Wikipédia para assuntos relativos à desinformação. Esses painéis são acionados por algoritmos, e nossos sistemas às vezes fazem associação equivocada. Estamos desativando esses painéis para transmissões ao vivo relacionadas ao incêndio”, disse ao jornalista um porta-voz da empresa de buscas".

Leia mais em:

https://www.niemanlab.org/2019/04/as-notre-dame-burned-an-algorithmic-error-at-youtube-put-information-about-9-11-under-news-videos/