Imprimir esta página
América Latina tem maior número de assassinatos de jornalistas no primeiro semestre de 2019 Reprodução

América Latina tem maior número de assassinatos de jornalistas no primeiro semestre de 2019

A América Latina é a região do mundo com o maior número de assassinatos de jornalistas registrados na primeira metade de 2019, segundo levantamento da organização Campanha Emblema de Imprensa (PEC) divulgado nesta quinta-feira (4). Ao todo, foram 15 homicídios entre janeiro e junho deste ano no continente. O México, com nove mortes, lidera o ranking sangrento tanto na região latina quanto nos 20 países pesquisados pela entidade, que somam 38 assassinatos. O Brasil divide a quarta posição da lista geral ao lado da Colômbia, ambos com duas mortes.

O número total de mortes no mundo é 42% menor do que o registrado no primeiro trimestre de 2018, quando 66 jornalistas foram mortos. A PEC considerou positiva a queda, mas destacou sua preocupação com algumas regiões, em especial no México e no Afeganistão (seis assassinatos), onde grupos criminosos e terroristas são, respectivamente, os principais responsáveis pelos crimes.  

"Os mecanismos nacionais são claramente impotentes para evitar esses crimes e garantir a prestação de contas, porque as polícias locais e as instituições judiciais são insuficientes ou corruptas", disse o secretário-geral da PEC, Blaise Lempen. "A comunidade internacional deve estabelecer um mecanismo independente que possa combater a impunidade quando as instituições nacionais não forem eficientes nem suficientes para preencher as lacunas de prevenção, proteção e ação penal", acrescentou.

O Paquistão, segundo a organização, segue o México e o Afeganistão entre os países mais perigosos até agora neste ano, com quatro jornalistas mortos. Depois aparecem Brasil e Colômbia. Um jornalista foi morto nos seguintes países: Bangladesh, Chade, Gana, Haiti, Honduras, Índia, Iraque, Quênia, Líbia, Irlanda do Norte, Filipinas, África do Sul, Síria, Ucrânia e Iêmen. Oriente Médio, de acordo com a PEC, registrou certa melhora na segurança dos jornalistas devido, "entre outras razões, à diminuição do conflito na Síria e no Iraque".

Violência no Rio de Janeiro

Os dois crimes registrados no país são os assassinatos de Robson Giorno, dono do jornal O Maricá, do Rio de Janeiro, em 28 de maio, e de Romario Barros, fundador do site Lei Seca Maricá, também no estado fluminense, em 16 de junho.

Leia mais em

https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/07/04/mexico-e-o-pais-mais-perigoso-para-jornalistas-brasil-aparece-em-4.ghtml

https://www.poder360.com.br/midia/brasil-tem-4o-maior-numero-de-jornalistas-mortos-em-2019-diz-pesquisa/

https://www.pressemblem.ch/pec-news.shtml