UNESCO alerta para a violência contra jornalismo local e faz campanha pelo fim da impunidade

UNESCO alerta para a violência contra jornalismo local e faz campanha pelo fim da impunidade

A impunidade dos crimes contra jornalistas atinge índices alarmantes em todo o mundo, mantendo um ciclo nocivo a abrindo caminho para ainda mais ataques e assassinatos, em especial no que diz respeito a jornalistas de imprensa local (93% dos mortos nos últimos dez anos). Os dados são do relatório divulgado nesta sexta-feira (1) pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), segundo o qual  cerca de 90% dos responsáveis pelas mortes de jornalistas reportadas entre 2006 e 2018 no mundo não foram punidos. A organização inicia neste sábado (2), Dia Internacional pelo Fim da Impunidade, ampla campanha de conscientização, com ênfase nos profissionais que exercem o jornalismo de localidade.

O relatório da UNESCO indica que 1.109 jornalistas foram assassinados em 12 anos. Entre 2014 e 2018, estes crimes aumentaram 18% com relação aos cinco anos precedentes, segundo o comunicado. O México é um dos países mais perigosos para os comunicadores, com mais de cem assassinados desde 2010.

Por regiões, o Oriente Médio é a mais perigosa, com 30% do total de mortos, seguido da América Latina e do Caribe, com 26%, e Ásia-Pacífico com 24%, destacou a Unesco.“Este ano, o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade estará centrado nos jornalistas locais. Mediante a campanha #KeepTruthAlive, trata-se de desmentir a ideia de que os homicídios ocorrem longe dos olhos do público e que são os correspondentes de guerra os principais afetados”, explicou a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay.

Entre os atos previstos no sábado, 2 de novembro, em cerca de 20 países, serão realizados seminários em México e Uganda. Desde julho, a Unesco administra um Fundo Mundial para a Defesa dos Meios de Comunicação, criado por iniciativa de Reino Unido e Canadá, que anunciaram que vão dedicar respectivamente 3 milhões de libras esterlinas (3,8 milhões de dólares) e 1 milhão de dólares canadenses (765.000 dólares).

O fundo tem como objetivo “reforçar a proteção jurídica dos profissionais e financiar cursos de segurança” para quem trabalha em zonas de conflito.

Leia mais em:

https://en.unesco.org/news/unesco-alerts-violence-against-media-international-day-end-impunity-crimes-against-journalists