Jornal alemão cria editoria de marketing e jornalismo para ampliar audiência

Jornal alemão cria editoria de marketing e jornalismo para ampliar audiência

Todos os dias, no fim da tarde, Jenny Buchholz escolhe quais as notícias serão destacadas na seção “As melhores” da homepage do jornal alemão Zeitung Suddeustche (SZ). Editora de marketing de texto, função criada pelo diário em 2015, Jenny também seleciona quais as histórias estarão disponíveis apenas para os assinantes premium da publicação, e quais podem aparecer para potenciais assinantes se forem editadas de um jeito convincente. Ao lado dela, está Andrea Landinger, que ajuda a refinar a cobertura para melhorar a otimização das buscas orgânicas no Google e níveis de cliques. O trabalho das duas, de acordo com o Nieman Lab (em texto traduzido e reproduzido pelo site Poder360), é parte importante de uma complexa estratégia de monetização do SZ, desde que o jornal lançou o seu modelo de assinaturas digitais, o SZ Plus.


Jenny conta que tenta dar destaque a textos longos pelos quais os leitores sentirão que vale a pena gastar algum tempo – e também sobre uma variada série de assuntos. Depois, ela escreve uma manchete e escolhe uma imagem que fará com que a notícia fique com visibilidade maior do que as demais publicadas na homepage do jornal. “Eu preciso que esse artigo seja convincente e que valha o tempo deles“, diz. Ela garante estar sempre interessada em fazer com que as pessoas retornem ao site do jornal. Por isso, afirma, quando escreve uma prévia para notícias, ela não promete algo além do que a matéria entrega. “A pior coisa que pode acontecer é que eles comprem o artigo porque parece ser interessante, mas depois de lerem, pensem ‘isso não valeu o meu tempo’. Não somos um restaurante de beira de estrada no qual as pessoas chegam, comem, e a qualidade da comida não importa porque eles nunca mais voltarão”.

A jornalista atua ainda junto aos principais editores e os consulta sobre o que a redação tem planejado, além de trabalhar com repórteres para escrever pequenas versões prévias das notícias do SZ Plus, que ela também posta na home para incentivar leitores a comprarem o acesso à versão completa. Toda ação tem um aspecto de marketing, como diz o nome do cargo de Jenny. Assim, ela está em permanente contato com integrantes da parte de negócios da organização. “Se você começa com um modelo de assinaturas, você tem de ter alguém que na redação identifique-se como modelo de assinaturas”, defende o editor digital do SZ, Stefan Plöchinger, ao revelar que o jornal estruturou propositalmente a posição de marketing de texto na redação para que pudesse encaixar entre o fluxo de trabalho. “Estamos tentando fazer com que a evolução disso entre nos trabalhos diários da redação“.

Dentro do sistema paywall do SZ, histórias de interesses gerais, recebidas de agências de notícias, têm acesso gratuito no site. Um dispositivo permite que dez notícias escritas pela equipe sejam gratuitas ao público. No entanto, histórias premium e edições digitais do jornal estão disponíveis apenas para assinantes pagos. A assinatura para o acesso total custa € 34.99 (cerca de R$ 130) por mês. Leitores também podem comprar passes diários de € 1,99 que dão acesso às histórias bloqueadas pelo paywall. O jornal também oferece duas semanas gratuitas para degustação

Leia mais em:
https://www.poder360.com.br/nieman-lab/jornal-alemao-cria-cargo-de-editora-de-marketing-de-texto-entenda/
http://www.niemanlab.org/2017/07/this-paper-has-a-text-marketing-editor-who-compares-the-job-to-picking-people-up-at-a-bar/