The New York Times bate recorde de assinaturas digitais e eleva ganhos com efeito Trump e investimento no mobile

Em postagem no Twitter de 22 novembro de 2016, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, classificou o The New York Times como um jornal “fracassado”. Os resultados financeiros do primeiro trimestre deste ano do diário, entretanto, indicam o contrário, para provável desgosto do mandatário norte-americano, cujas “verdades alternativas” têm levado milhares de norte-americanos a pagar por conteúdo jornalístico de qualidade no meio online. Puxada pela disparada no número de assinaturas digitais e forte atuação no meio móvel, a receita total do The New York Times nos primeiros três meses de 2017 somou US$ 398,8 milhões, um crescimento de 5,1% em relação ao mesmo período do ano passado e o melhor resultado trimestral nos últimos seis anos. O lucro líquido ficou próximo a US$ 13 milhões, quando no mesmo período do ano passado houve perda de aproximadamente US$ 14 milhões.

Entre janeiro e março de 2017, o jornal conquistou 308 mil assinantes digitais, superando o recorde trimestral anterior de 276 mil e acumulando 2,2 milhões de assinantes apenas online, um aumento de 62,2% em relação aos primeiros três meses do ano passado. Além disso, a receita com anúncios digitais subiu 19%, para US $ 49,7 milhões, e agora representa 38,2% do faturamento total de publicidade da empresa. A receita com anúncios impressos (US$ 80,4 milhões), entretanto, continuou a cair: 17,9% a menos do que no primeiro trimestre de 2016.

Mark Thompson, CEO da The New York Times Company, comemorou os resultados destacando que o jornal está em rápida transição de um célebre passado como um grande jornal dos Estados Unidos para um futuro de potencial ainda maior, como fornecedor de conteúdo pago digital, com ênfase no mobile, para audiências de todos os lugares. A CRO (chief revenue officer) do diário, Meredith Kopit Levien, reconheceu que o “efeito Trump” é responsável por um grande número dos novos assinantes, mas tanto ela quanto Thompson ressaltaram que os bons resultados digitais também têm origem em uma acertada estratégia focada no meio móvel e em branded content, além de marketing e serviços criativos para atrair leitores.

Leia mais em:

HTTP://WWW.NIEMANLAB.ORG/2017/05/THE-NEW-YORK-TIMES-JUST-HAD-A-PRETTY-STELLAR-FIRST-QUARTER-THANKS-TO-THE-WIRECUTTER-AND-A-TON-OF-NEW-DIGITAL-SUBS/?UTM_SOURCE=DAILY+LAB+EMAIL+LIST&UTM_CAMPAIGN=5A21DDA4FB-DAILYLABEMAIL3&UTM_MEDIUM=EMAIL&UTM_TERM=0_D68264FD5E-5A21DDA4FB-386384393

https://www.nytimes.com/2017/05/03/business/new-york-times-co-q1-earnings.html?ref=media

http://br.reuters.com/article/internetNews/idBRKBN17Z26E-OBRIN