Jornais do grupo Axel Springer mantêm influência enquanto grupo migra para o digital Reprodução

Jornais do grupo Axel Springer mantêm influência enquanto grupo migra para o digital

O gigante grupo de mídia alemão Axel Spinger alcançou, graças em grande parte aos classificados digitais, o que poucas empresas de mídia conseguiram: uma nova identidade online que deu à organização um valor de mercado de US$ 6,8 bilhões, mais do que a New York Times Company. Na transformação, entretanto, a empresa da Alemanha manteve a relevância e a influência dos seus dois jornais, Die Welt e Bild, segundo relato de Andrew Curry no site Columbia Journalism Review (CJR), da Escola de Jornalismo da Universidade Columbia.

O Die Welt, um "quality paper", tem se tornado mais influente como um canal online do que já foi impresso, publicando artigos de opinião de proeminentes políticos alemães e europeus e elevando sua carteira de assinantes. “Neste ano, as assinaturas digitais chegaram a 100 mil, correspondendo aproximadamente à circulação impressa semanal do jornal”, contou Ulf Poschardt, editor de portfólio do jornal, a Curry. "Decidimos pensar em histórias, problemas, atitudes e novidades", acrescento Poschardt, "não tanto no canal de mídia em que vamos apresentá-los”.

O tabloide Bild, que viu as vendas diárias das edições impressas caírem de 4,2 milhões para 1,4 milhão nos últimos nove anos, continua sendo o jornal de maior circulação da Alemanha e mantém um lugar poderoso na política e na sociedade, de acordo com Curry. "Seu alcance diminuiu drasticamente, mas ainda é multiplicado – quando o Bild descobre algo ou algum tema o empurra a uma campanha, outros trabalhos prestam atenção", disse Michael Haller, diretor acadêmico do Instituto Europeu de Estudos de Jornalismo e Comunicação em Leipzig e um antigo analista da mídia alemã.

A Axel Spinger aprofundou sua transição para o meio digital a partir de 2006 e, desde então, vendeu impressoras, jornais e revistas para, ao mesmo tempo, investir mais de 5 bilhões de euros em cerca de 40 empresas digitais. A maior parte dessas empresas é de classificados ou marketing online. Entre elas estão o portal de empregos StepStone, o site imobiliário francês SeLoger.com e o agregador de anúncios Awin.

A empresa expandiu-se ainda para os Estados Unidos com várias aquisições, como o site de notícias Business Insider (BI), e associou-se ao site norte-americano Politico. Hoje, as atividades digitais do grupo representam mais de dois terços da receita e 80% dos lucros da empresa.

Leia mais em:

https://www.cjr.org/special_report/axel-springer.php?utm_source=CJR+Daily+News&utm_campaign=6ed1102621-EMAIL_CAMPAIGN_2019_06_26_01_32&utm_medium=email&utm_term=0_9c93f57676-6ed1102621-174426941