Instabilidade e escândalos éticos de Trump exigem mais da imprensa, diz Friedman, do NYT

Instabilidade e escândalos éticos de Trump exigem mais da imprensa, diz Friedman, do NYT

Thomas L. Friedman, influente colunista do The New York Times, disse em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo desta sexta-feira (02) que o comportamento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, exige da imprensa uma cobertura muito próxima e criteriosa. “Há uma razão para fazermos a cobertura de Trump como fazemos: ele é uma pessoa instável que realiza atos perturbadores”, ressaltou.

Perguntado pelo repórter Guilherme Russo sobre a possibilidade de haver distinção no tratamento dado pela mídia a Trump em relação ao ex-presidente Barack Obama, Friedman disse que a grande imprensa “não pegou leve” com o ex-presidente, mas destacou as diferenças entre os dois políticos.

“Obama não mentiu nem deu 2 mil declarações falsas em seu primeiro ano de governo, não atacou o próprio secretário de Justiça, não atacou o próprio secretário de Estado, não atacou a CIA nem o FBI”, comentou. “Esse homem (Trump) é uma pessoa perturbada, fazendo coisas perturbadoras. Obama não teve nenhum escândalo ético em seus oito anos como presidente. Trump não passa um dia sem se envolver em algum escândalo ético.”

Pravda dos EUA

O jornalista afirmou ainda que, sob o comando do atual presidente, os Estados Unidos têm sua própria versão do Pravda (jornal oficial soviético) ou do Diário do Povo da China. “Temos uma rede de televisão devota ao líder supremo. Na Coreia do Norte, eles chamam de Diário de Pyongyang. Nos Estados Unidos, chamamos de Fox News.”

Leia aqui a entrevista na íntegra.