Grupos de extrema-direita no Facebook inundam a internet de ódio e desinformação antes da eleição do Parlamento Europeu Reprodução

Grupos de extrema-direita no Facebook inundam a internet de ódio e desinformação antes da eleição do Parlamento Europeu

O Facebook anunciou medidas nos últimos meses para combater a desinformação em sua plataforma no período que antecede as eleições para o Parlamento Europeu, entre 23 e 26 de maio. Desde de outubro do ano passado, a União Europeia (UE) afirma, porém, que a companhia (e outras gigantes digitais) não faz o suficiente. Estudo da organização não-governamental (ONG) Avaaz divulgado nesta quarta-feira (22) revela que o bloco tinha razão. O levantamento identificou mais de 500 páginas de grupos de extrema-direita no Facebook suspeitos de disseminar informações falsas em países da UE. Com cerca de 32 milhões de seguidores, as páginas geraram mais de 67 milhões de interações – comentários, curtidas e compartilhamentos – nos últimos três meses.

O relatório, segundo o jornal britânico The Guardian e a emissora pública de rádio-televisão alemã Deutsche Welle (DW), informa que os conteúdos falsos e extremistas foram visualizados pelo menos 500 milhões de vezes no período analisado. A Avaaz descobriu páginas suspeitas na rede social na França, Alemanha, Itália, no Reino Unido, na Polônia e Espanha. "O Facebook permitiu que muitas atividades suspeitas e conteúdo malicioso se espalhassem. É preciso excluir e realizar imediatamente verificações em toda a UE para detectar outras atividades suspeitas em sua plataforma", informou a ONG.

O Facebook teria removido algumas dessas contas, com seis milhões de seguidores, mas centenas de outras páginas, com mais de 26 milhões de usuários cadastrados, continuariam ainda em análise por parte da rede social. Para dar a dimensão do alcance da desinformação, a DW comparou a rede de extremistas com páginas oficiais dos partidos eurocéticos – Liga (Itália), AfD (Alemanha), Frente Nacional (França), PiS (Polónia) e Partido do Brexit (Reino Unido). Juntas, as legendas têm um pouco mais de dois milhões de seguidores. Ao comentar as visualizações identificadas até aqui, Christoph Schott, diretor da Avaaz lembrou que o número ultrapassa o total de eleitores da UE. “As páginas têm altos níveis de interação. Não importa quantos seguidores tem, se não houver interações”, afirmou.

O relatório, segundo a Avaaz, foi entregue ao Facebook na esperança de que a rede social remova todas as páginas relacionadas no estudo.  A rede social, por meio de um porta-voz, confirmou ter bloqueado “um certo número de contas falsas e duplicadas que violavam” suas políticas. A Avaaz, por sua vez, identificou que a rede social removeu 77 páginas e contas relatadas pela ONG em abril e maio.

Leia mais em:

https://www.wired.com/story/far-right-propaganda-facebook-eu-elections/

https://www.theguardian.com/world/2019/may/22/far-right-facebook-groups-spreading-hate-to-millions-in-europe

https://medium.com/the-business-of-content/facebook-decimated-this-publishers-business-so-it-became-a-paid-newsletter-d503db999f01

https://www.bitsoffreedom.nl/2019/05/21/facebook-lies-to-dutch-parliament-about-election-manipulation/

https://www.dw.com/pt-br/desvendada-ampla-rede-de-fake-news-na-europa/a-48825096

https://www.theguardian.com/world/2019/may/22/far-right-facebook-groups-spreading-hate-to-millions-in-europe